EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

21 de Janeiro de 2019

Prefeitura de Itanhaém define medidas para o Canal da Barra

Administração e pescadores querem evitar acidentes como os mais recentes; um deles foi justamente no dia da reunião

Depois de três acidentes em dois meses com embarcações na entrada do Canal da Barra, em Itanhaém, uma conversa entre pescadores e Prefeitura definiu ações para tentar evitar outras ocorrências.

A primeira medida a ser adotada é a instalação de uma câmera no local, conforme ajustado na última quarta-feira. Ela será integrada à central de monitoramento da Prefeitura.

“Com isso, é possível verificar os barcos que entram e saem da barra e, a qualquer sinal de acidente, já podemos tomar as providências com mais rapidez”, explica o secretário de Planejamento e Meio Ambiente de Itanhaém, Ruy Santos, segundo o qual o equipamento será instalado em poucos dias.

Outra reivindicação dos trabalhadores de pesca e de barcos turísticos para reforçar a segurança e ter socorro mais rápido em caso de acidente é a instalação de um posto do Corpo de Bombeiros naquela área.

“Estamos tratando com o Iate Clube para a retomada do mirante, onde existia um serviço de radiocomunicação com todos os navios daqui. Se arrumarmos o espaço, os Bombeiros já sinalizaram que conseguem pedir o aumento de efetivo para instalarmos ali uma base”, adianta.

Curso

Para evitar novas ocorrências, a Prefeitura quer montar, em conjunto com a Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP), um curso para dar orientações gerais aos barqueiros sobre normas de segurança e reforçar a necessidade de colocação dos coletes salva-vidas.

“Também queremos fazer cadastros deles para que sejam integrados aos avisos da capitania, pois muitos alegam que não têm conhecimento destes comunicados”. O assunto será tratado entre Município e CPSP no dia 29.

Outro pedido é que a Prefeitura avalie construir um molhe de pedras para proteger as embarcações do movimento das ondas e impedir a formação de bancos de areia. “Os pescadores afirmam ter um profissional com experiência em molhes e ficaram de nos apresentar um projeto”.

Marinha

Em nota, a Capitania dos Portos informou que abriu inquéritos para apurar as causas dos três acidentes. Os processos ainda estão em andamento. O órgão diz promover “diariamente intenso programa de fiscalizações, além de ações de conscientização e prevenção de acidentes”.

Mudanças visam frear quantidade de acidentes com barcos na região (Foto: Marco Antônio Rossi)

Em três acidentes, quatro mortes

O último acidente com barcos em Itanhaém ocorreu no mesmodia emque a Prefeitura se reuniu com pescadores, na quarta-feira. A embarcação comdois pescadores virou no momento em que eles navegavam pela zona de arrebentação das ondas.

Eles foram resgatados pela tripulação que estava em outras embarcações. Em 16 de setembro, um barco de pesca que fazia expedição com 15 pescadores amadores naufragou, o que matou o pescador Anderson Rogério da Silva Leitão, de 39 anos. Outras sete pessoas ficaram feridas. O barco foi atingido por uma onda enquanto retornava da Ilha da Queimada Grande.

No dia 3 deste mês, dois turistas e um morador de Itanhaém morreram após um naufrágio no mesmo local. Após ventania, os ocupantes da embarcação, de turismo, foram surpreendidos pela mudança brusca no tempo.