Passageira fica sem ter o que comer após motorista de aplicativo fugir com troco em Mongaguá

Letícia Valente pegou uma carona até o hospital. Na hora de pagar, ela ouviu do motorista que não tinha troco, e que iria trocar o valor em um posto de gasolina. Ele nunca mais voltou

A esteticista Letícia Valente, de 26 anos, passou por uma situação inesperada ao pegar uma carona por aplicativo em Mongaguá, no litoral de São Paulo. Após pagar a corrida de R$ 15 com uma nota de R$ 100, a única que tinha no momento, ela ouviu do motorista que não tinha troco e que iria trocar o valor em um posto de gasolina. Porém, ele nunca mais voltou.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Com suspeita de dengue, Letícia retornava ao hospital, no bairro Vera Cruz, para pegar o resultado de um exame. A mulher conta que, no fim da corrida, o motorista afirmou que não tinha troco, que iria trocar o valor em um posto de gasolina e que retornaria para o hospital em seguida, o que não aconteceu. A nota de R$ 100 era a única que a esteticista tinha para passar o resto da semana. 

"Estou muito triste. Falei que era retorno e que qualquer coisa eu sairia do hospital e avisava ele. Quando fui voltar para avisar que ia demorar um pouco, porque tinham outras pessoas na minha frente, ele não estava lá. Comecei a ficar desconfiada. Tentei ligar para ele e não consegui. Passei no médico, saí e fiquei esperando. Comecei a chorar, porque era o único dinheiro que meu marido tinha, e ele trabalha em São Paulo. Eu não ia gastar esse dinheiro, porque precisava. Não imaginava que a pessoa ia fazer isso comigo", desabafou Letícia, em vídeo compartilhado nas redes sociais.

Em conversa com ATribuna.com.br, a esteticista disse que a empresa, até o momento, ainda não a procurou para conversar sobre o caso. Sem a quantia, Letícia tem recebido ajuda de vizinhos, com doações de mantimentos para o restante da semana.

"Foi bem complicado. Estou recebendo ajuda dos vizinhos. Algumas coisas que estão faltando, como remédios, frutas e bolachas, eles estão trazendo. Era o único dinheiro que eu tinha", afirma.

Corrida custou R$ 15, e Letícia só tinha uma nota de cem reais. Motorista disse que ia trocar o valor e não retornou (Foto: Arquivo pessoal)

Em nota, a empresa 99 disse que lamenta o caso e que bloqueou o motorista da plataforma. Confira o posicionamento na íntegra.

A 99 lamenta profundamente o caso. Assim que tomamos conhecimento, bloqueamos o motorista e já fizemos o primeiro contato com a passageira para acolhimento, enquanto avaliamos a situação. A empresa está analisando o caso e esclarece que continua disponível para dúvidas.  

No Guia da Comunidade 99, respeitar o próximo, viajar com segurança e assumir responsabilidades são os pilares que defendemos para que motoristas e passageiros tenham uma experiência positiva com o app. 

Em comportamentos como esse, o usuário deve reportar imediatamente pelo app ou pela central de atendimento da empresa. 

Após o recebimento da denúncia, a 99 tomará as medidas necessárias, com bloqueios, apoio às investigações e demais procedimentos previstos em nossas políticas e termos de uso.

Tudo sobre: