EDIÇÃO DIGITAL

Terça-feira

17 de Setembro de 2019

Náufragos são resgatados após ficarem três dias isolados na Ilha da Queimada Grande

Barco em que estavam seis pescadores afundou nas proximidades do local; quatro foram encontrados e outros dois membros que estavam dentro da embarcação estão desaparecidos

Quatro náufragos foram resgatados na Ilha da Queimada Grande, conhecida também como Ilha das Cobras, em Itanhaém, neste sábado (2). O grupo ficou por três dias isolado no local após a embarcação em que estavam afundar. Segundo o Corpo de Bombeiros e a Marinha do Brasil, outros dois membros que estavam na embarcação estão desaparecidos.

Eles são pescadores e saíram de Santos à bordo do barco Odelmar II. O acidente ocorreu na quarta-feira (27 de fevereiro). A embarcação afundou após ser atingida por uma forte onda e bater em uma pedra, no final da tarde. Segundo relatos dos sobreviventes, os desaparecidos, de 60 e 38 anos, respectivamente, teriam afundado junto com a embarcação. A Marinha informou que acionou protocolos de Busca e Salvamento (SAR) marítimo para encontrar os outros dois homens.

O ambiente estava escuro e chovia naquele momento. Eles viram um "vulto" no mar, identificaram a ilha e nadaram por, aproximadamente, dez quilômetros até chegar aos rochedos, em um percurso que durou 4 horas. Os pescadores foram localizados por um grupo que realizava um mergulho na região. 

"Fizemos um primeiro mergulho e depois decidimos dar a volta para acharmos um outro ponto. Vimos três homens na ilha acenando, sem camisa. Quando o barco chegou mais perto, um deles chamou o quarto homem. Pediram socorro. Disseram que tinham naufragado. Um já pulou na água e entrou no barco muito emocionado. Demos água e lanche para eles", contou Viviane Mara Dantes, mergulhadora recreativa que auxilou no resgate.

Homens foram localizados após ficarem por três dias presos na ilha (Foto: G1 Santos)

De acordo com a mergulhadora recreativa, os náufragos informaram que, durante este tempo, eles se alimentaram de banana verde e bebiam a água da chuva. O grupo de mergulhadores retornou ao continente com os sobreviventes e acionou o Samu.

"Quando chegamos na marina do Rio Itanhaém o Samu já estava lá. Eles estavam bem debilitados. No caminho eles conseguiram falar com as famílias. Eu nunca achei que fosse um dia presenciar isso. Ainda estou processando tudo", comentou Viviane. 

Os pescadores foram encaminhados para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itanhaém e receberam alta médica na noite deste sábado.