EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

17 de Outubro de 2019

Moradores buscam resposta para esgoto a céu aberto no bairro Oásis, em Itanhaém

Munícipes relatam que o local já está sem manutenção há mais de 5 anos. Vereador trabalha para que situação seja solucionada

Uma rede de esgoto a céu aberto no bairro Oásis, em Itanhaém, tem tirado a paciência e causado inúmeros transtornos aos moradores. Em conversa com A Tribuna On-line, munícipes revelaram que o bairro está assim há mais de 5 anos.

A dona de casa, Bruna Ferreira de Souza, 22 anos, reside na rua João Antônio, e conta que no local existem valas com esgoto aberto. “Na frente da minha casa temos uma enorme. E a gente já pediu, fizemos um abaixo assinado há três semanas, e até agora não tivemos nenhuma resposta da Prefeitura. Essa rua já está assim há anos, e eles só enrolam e não fazem nada”, disse.

As valas trazem diversos problemas aos moradores, como doenças, mau cheiro e animais ao entorno (Foto: Arquivo Pessoal/ Bruna Ferreira de Souza) 

A jovem conta que o principal problema das valas é o contato com os moradores. “Tem muita criança aqui na rua, a minha filha já ficou doente várias vezes, eu também já fiquei, o bebê da minha cunhada também. Fora o mau cheiro de fezes e lama, está horrível!”, desabafou.  

Outro agravante são as constantes enchentes que afetam o local. “Entrou água dentro da minha casa, e ficou tudo alagado aqui na rua por causa da vala. Fora os bichos que ficam, tem muito mosquito, rato e até cobra. Nós pedimos para o vereador Naldo, aqui de Itanhaém, pedir para o prefeito dar uma olhada e arrumar a rua, só que se a gente não ficar em cima, a Prefeitura vai enrolar e acabar não fazendo nada”, comentou.

O vereador Edinaldo dos Santos Barros, conhecido como Naldo, informou à nossa reportagem que recebeu dos moradores uma solicitação via Whatsapp. Ele foi até o local e constatou pessoalmente a situação. “Protocolei um requerimento, que entrou na pauta da sessão de segunda-feira (20), indagando a Sabesp quanto ao saneamento”, disse.

Moradores relatam que já foi feito um requerimento sobre o assunto (Foto: Arquivo Pessoal/ Bruna Ferreira de Souza) 

O marido de Bruna, Alefe Barbosa Ferreira, de 24 anos, mora no local há mais tempo, e conta que a situação já se estende há anos. “O abaixo assinado que nós fizemos foi entregue e protocolado, agora é com a prefeitura. Estamos aguardando. Quando eu vim morar aqui essa rua já estava assim, e por ser sem saída, quando chove e enche somos obrigados a enfrentar a água para ir trabalhar e levar as crianças na escola”, relatou

Sobre as recentes manutenções no bairro, Alefe diz que não entende o motivo de terem arrumado outras ruas e nada ter sido feito no local. “É complicado para nós moradores mais humildes que não temos lugar para ir. Ninguém escolhe o lugar que vai morar, mas os governantes podiam ajudar a melhorar o local”, falou.

Municípe afirma que o principal problema das valas é o contato com os moradores (Foto: Arquivo Pessoal/ Bruna Ferreira de Souza) 

Em nota, a Prefeitura de Itanhaém informou que a responsabilidade pelo saneamento básico, ou seja, ligação de esgoto, é da Sabesp. Porém, toda a Cidade será contemplada com o programa Onda Limpa, que prevê, num prazo de 30 anos, tratar 100% do esgoto coletado com a ampliação da rede. E, a retomada das obras será realizada ainda este ano com investimentos que somam a ordem de R$ 1 bilhão.

De acordo com a Sabesp, o local apontado fica em uma área invadida com ocupações irregulares, sendo a companhia impedida por lei de implantar os sistemas de saneamento. Além disso, explica que a manutenção necessária no sistema de drenagem não é uma competência da empresa e o planejamento de obras para coleta dos esgotos depende da administração municipal realizar a devida regularização fundiária.

Tudo sobre: