EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

24 de Agosto de 2019

Itanhaém faz 487 anos com histórias e lendas

É o segundo município mais antigo do País, fundado por Martim Afonso em 1532

A segunda cidade mais antiga do País comemora hoje seu 487º aniversário. Fundada por Martim Afonso em 1532 e elevada à categoria de vila em 1561, Itanhaém coleciona história, lendas curiosas e personagens famosos.

Cenário da primeira versão da novela Mulheres de Areia, escrita por Ivani Ribeiro, entre 1973 e 1974, Itanhaém tem um monumento que homenageia a trama. A estátua fica no alto de uma pedra, na Praia dos Pescadores.

O termo iitá-nha significa, na língua indígena, pedra que canta ou pedra que chora. O barulho do mar quando bate nas rochas deu origem ao nome.

Anchieta

O padre José de Anchieta (1534-1597) passou pela Cidade e contribuiu diretamente para escrever a história do lugar. A Cama de Anchieta é um dos principais pontos turísticos.

Diz a lenda que era perto do mar que o padre jesuíta gostava de descansar e buscar inspiração. A formação rochosa fica entre o costão da Praia da Gruta e da Praia do Sonho. Uma passarela de madeira de 220 metros de comprimento leva os visitantes até o local.

Anchieta foi canonizado pelo Papa Francisco em 3 de abril de 2014 e diversos milagres são atribuídos a ele. Embora tenha nascido na Espanha, é considerado o terceiro santo brasileiro. Uma lei municipal instituiu o dia 9 de junho, data de sua morte, como feriado.

Benedicto Calixto  

Nascido em Itanhaém, em 14 de outubro de 1853, Benedicto Calixto é considerado um dos maiores pintores brasileiros do início do século passado.

Fotógrafo e escritor, tornou-se pioneiro no País na arte de pintar a partir de fotografias. Suas obras podem ser vistas em vários locais importantes, como o Museu do Ipiranga, em São Paulo, e a Bolsa Oficial de Café, em Santos. Em toda a sua trajetória produziu cerca de 1.700 obras.