EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

19 de Abril de 2019

Bairros alagados e Serra do Guaraú preocupam moradores de Peruíbe

Número de desabrigados chegou a 160 nos últimos quatro dias

Após dias de chuvas fortes, moradores de Peruíbe continuam enfrentando problemas com alagamentos em bairros da cidade. Conforme levantamento emitido pela Defesa Civil nesta quarta-feira (10), 160 pessoas estão abrigadas em dois pontos de apoio do município. Além disso, a Serra do Guaraú apresenta uma grande rachadura que vem assustando motoristas. As aulas em toda a rede municipal de ensino foram suspensas.

Nos últimos quatro dias, choveu mais de 400 mm, valor acima do esperado para o mês de abril, desde 1963. A situação provocou alagamentos em vários bairros. Entre os mais afetados, estão o Centro, o Jardim Veneza e o Parque do Trevo. Em nota, a prefeitura explicou que a baixa vazão dos canais e do Rio Preto podem fazer os alagamentos persistirem por um tempo.

Moradora do Jardim das Flores, a copeira hospitalar Andreia Canuto brinca que já passou a chamar o bairro de “Jardim das Águas”. Ela explica que mora no local há sete anos, e que essa não é a primeira vez que perdeu móveis dentro de casa. “Já tinha perdido tudo da última vez, mas, dessa vez, até sem geladeira fiquei. A água já entrou em minha casa cinco vezes”.

Além disso, a munícipe relata que os alagamentos trazem animais para dentro das residências.  “Com a água, sempre aparecem cobras nas casas da rua. São bichos horríveis. Só na minha casa, entraram três, e as guardo em um vidro com álcool”.


Pista do Guaraú apresentava problemas estruturais que pioraram com o aumento das chuvas (Foto: A Tribuna)

Serra do Guaraú

A Serra do Guaraú voltou a apresentar problemas estruturais, agora no sentido de Guaraú, próximo ao antigo Chão de Pedra. A Defesa Civil vem monitorando a situação no local.

Uma moradora, que preferiu não se identificar, relata que uma rachadura no asfalto vem preocupando motoristas que precisam passar pelo local. “Moro no bairro, e a serra está comprometida em vários lugares, estou muito nervosa com a situação. Nós temos medo de desabamento e de ficarmos ilhados”, explica.

De acordo com a prefeitura, meia pista foi interditada por prevenção, e o tráfego de veículos acontece alternadamente com a sinalização de agentes no local. A administração municipal ainda informa que aguarda a liberação de verba resultante do convênio já formalizado pelo Dade para executar obras no local.

Abrigo e ajuda

As chuvas também obrigaram moradores a saírem de suas casas. A cidade tem, atualmente, 110 pessoas abrigadas no Núcleo de Ações Educativas e Sociais (NAES) e 50 no Centro Comunitário do Caraminguava. Os locais estão oferecendo roupa e alimentação.

O Fundo Social de Solidariedade (Avenida São João, 654, Centro) está recebendo doações de colchões, roupas de cama, roupas de banho, cobertores, fraldas descartáveis dos tamanhos M e G e alimentos não perecíveis. No período da noite, as doações devem ser entregues na Guarda Municipal (Rua Rio de Janeiro, 310, bairro Stella Maris).