EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

18 de Setembro de 2019

Baile funk a céu aberto atravessa a madrugada e causa transtornos a moradores de Peruíbe

Denúncia aponta que evento contou com a presença de menores e uso de drogas

A madrugada desta sexta-feira (16) foi de transtornos para os moradores do Centro de Peruíbe, bem como para os turistas que se hospedaram na região para aproveitar os feriados prolongados da República e Consciência Negra. O motivo foi a realização de um baile funk a céu aberto, na orla da praia, bloqueando uma das vias da Avenida Governador Mário Covas Junior.

No vídeo (veja abaixo), filmado por volta das 3 horas e enviado por um morador que preferiu não se identificar, é possível verificar a aglomeração de cerca de 100 pessoas no local. Mesmo com o evento sendo filmado à distância, é possível constatar o alto volume do som.

Segundo denúncias, havia menores no evento e o consumo de drogas e bebidas alcoólicas foi indiscriminado.

A sensação de revolta dos moradores é ainda maior devido ao fato de existir uma base da Guarda Civil Municipal (GCM) a menos de 50 metros do local do baile funk. Além disso, desde segunda-feira (12) alertas teriam sido feitos não apenas à GCM, mas também à Prefeitura e ao comando da Polícia Militar, solicitando ações preventivas para evitar que o evento ocorresse. O 'pistão' já estava marcado por meio de uma página no Facebook, onde, até a manhã desta sexta, havia mais de 1.500 pessoas envolvidas, entre confirmados e interessados.

A promessa é de mais bailes funk do tipo nos próximos dias: a organização do evento prevê, na página, que ele terminará apenas na próxima terça-feira (20).

 

Respostas

Procurado, o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) de Peruíbe informou que não recebeu nenhum chamado sobre o caso e que, por isso, não há boletim de ocorrência.

Já a Prefeitura disse que o Departamento de Trânsito esteve no local do baile funk e fez várias autuações, aplicando multas por conta do som alto. Com relação à Guarda Civil Municipal, confirmou que o órgão possui um posto na Praça Melvin Jones, mas ponderou que sua atuação nesse tipo de ocorrência é limitada pela legislação.

Informa, ainda, que a PM foi comunicada sobre a página no Facebook programando o evento, porém não teriam comparecido ao local nesta sexta.

A Administração finaliza dizendo que acionou o subcomandante do Batalhão da PM e o comandante da companhia para manifestações sobre o assunto, por ser de responsababilidade da corporação atuar no controle desse tipo de situação, de acordo com a lei nº 16.049, de 10 de dezembro de 2015 - a chamada "Lei do Pancadão".