EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

16 de Setembro de 2019

Insegurança preocupa moradores da Enseada, em Guarujá

Moradores afirmam ter medo constante de andar na rua e até mesmo ficar dentro de casa por causa de roubos, rotineiros no bairro

Os moradores da Enseada, em Guarujá, se queixam da falta de segurança no local e afirmam ter medo constante de andar na rua e até mesmo ficar dentro de casa por causa de roubos rotineiros no bairro. Na semana passada, um morador, que preferiu não se identificar, teve sua casa invadida durante a madrugada. Ele conta que os infratores levaram uma bicicleta e quebraram os vidros das janelas do fundo da casa, que fica na Rua Alcídes Pagetti. 

“Roubam tudo quanto é fiação. Teve uma vez que cortaram a cerca elétrica do meu vizinho e entraram. A gente tem medo de sair na rua, mas não estamos seguros nem em casa. Peço que as autoridades tenham mais cuidado com a população, coloquem mais policiamento e rondas aqui”. 

Outro problema, segundo ele, foi o fechamento da sede da 5ª Companhia da PM, há cerca de um ano, que ficava em um imóvel na Rua Júlio Prestes de Albuquerque e passou a funcionar na Av. Marjory da Silva Prado, na Praia de Pernambuco. “Ficou mais longe registrar uma queixa. Agora, tenho que a ir à Delegacia Sede, na Avenida Puglisi”.

Nem à luz do dia os ladrões dão trégua. Há duas semanas, a supervisora de serviços gerais Francisca Ferreira de Pontes, de 42 anos, sofreu uma tentativa de assalto enquanto limpava uma lixeira, próximo ao hotel onde trabalha, por volta de 9 horas. 
“Um homem estava de bicicleta e parou, fingindo arrumar a corrente. Ele foi se aproximando e eu percebi. Comecei a correr, ele foi atrás, mas cheguei no portão do hotel a tempo”.

Depois do episódio, ela vive assustada. “Quando vou fazer o serviço na rua, não levo celular, nem meu relógio. Assim, eles não têm o que levar, mesmo se me abordarem”.

Justificativa

Em resposta, o comando do 21º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM/I), responsável pelo policiamento ostensivo preventivo em Guarujá, diz fazer rondas e operações policiais constantes no Município. Assegura que intensificou patrulhamentos nos locais citados pela Reportagem e suas proximidades. 

Sobre as invasões de casas nas ruas Alcídes Pagetti e Uruguai, a PM diz que delitos deste tipo são de difícil prevenção, “uma vez que compete primordialmente ao proprietário da residência a adoção das medidas primárias preventivas de segurança”. 
Ainda em nota, o 21º Batalhão diz que a transferência da sede da 5ª Companhia ocorreu “por motivos estratégicos”, sem dar detalhes.