EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

26 de Maio de 2019

Cubatão: prioridade é gerar emprego

Cidade, que abriga um dos polos industriais mais importantes do País, também quer estimular comércio local para atingir essa meta

Com cerca de 130 mil habitantes, Cubatão completa hoje 70 anos de emancipação político-administrativa. Nesse período, já foi um dos maiores polos petroquímicos da América Latina e ainda ostenta um dos mais importantes centros industriais do País. Agora contemplada como Município de Interesse Turístico (MIT) pelo Estado, a Cidade busca o equilíbrio nas finanças públicas a fim de fomentar o comércio local e a geração de empregos.

“A busca pelo aumento de arrecadação em tempos de crise financeira em todo o País é um desafio. Cubatão sempre foi totalmente dependente da arrecadação da indústria. Portanto, quando a indústria vai mal, Cubatão também vai mal”, explica o secretário municipal de Finanças, Geraldo Antonio dos Santos. Ele projeta cerca de R$ R$ 870 milhões para os cofres públicos neste ano, um leve aumento de 0,56% em relação a 2018.

“Para aumentar a arrecadação, iniciamos um procedimento de ampliação da base de fiscalização para todos os tributos, com foco em evitar eventuais evasões fiscais, inclusive quanto ao acompanhamento do desempenho das empresas através da Declaração para o Índice de Participação dos Municípios (Dipam), que objetiva aumentar o repasse do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do Estado ao município. Além disso, há um trabalho de atualização de cadastro mobiliário, imobiliário e de Contribuintes”, conta o secretário de Finanças.

Otimismo

O cenário é otimista. Dados do Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Cubatão apontam que, de janeiro ao início de abril, o total de vagas preenchidas subiu 9% perante o mesmo período do ano passado. Presidente da Associação Comercial e Industrial de Cubatão (Acic), Geraldo Adelino Gouveia de Freitas também acredita numa retomada. “Há cerca de um mês, a Cidade começa a apresentar sinais de melhora. Algumas indústrias estão começando a contratar mão de obra para as paradas de manutenção, o que já traz um movimento grande para o comércio”. Segundo Freitas, as vendas no comércio cubatense cresceram 25% nos primeiros meses deste ano, na comparação com 2018.

“Com a desativação de muitas empresas, é o comércio local que acaba empregando. Aproximadamente 15 mil pessoas trabalham no comércio de Cubatão hoje”, afirma o presidente, que aposta na revitalização da Avenida Nove de Abril e do entorno para atrair mais empresas e consumidores ao Centro de Cubatão.

“Há uma série de políticas públicas sendo desenvolvidas para a geração de emprego no Município coma atração de novas empresas. No entanto, o foco principal é a capacitação dos trabalhadores através de vários convênios com Senac, Sesi, Sebrae, Ciesp e Via Rápida (Emprego). Além disso, (há) diversos cursos de capacitação de geração de renda, fomentando o empreendedorismo”, conta o secretário municipal de Emprego e Desenvolvimento Sustentável, Marcos Espírito Santo. A estimativa é que o deficit de empregos na Cidade seja de 12 mil vagas.