EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

7 de Agosto de 2020

Surdez repentina pode ocorrer em qualquer idade, afirmam especialistas

Diagnóstico rápido é ideal para tratamento; sintomas variam

Segundo especialistas, surdez decorrente do diabetes é mais comum do que se pensa  (Foto: Divulgação)

A deficiência auditiva ao nascer ocorre em quatro a cada 1.000 nascidos vivos. Depois, 9% das crianças de até 2 anos e 7 meses têm algum problema no ouvido. Mas, mesmo fora da infância, é possível um dia simplesmente acordar e não ouvir mais. A surdez súbita, apesar de incomum, pode acontecer em qualquer idade. Quem tem diabetes corre mais risco, e os que costumam usar hastes flexíveis da forma errada, também. No entanto, várias doenças podem ser causadoras do problema, sendo primordial o diagnóstico rápido para reverter a situação. 

Isso se deu com Rosely Santiago, analista de comunicação de 46 anos. Há uns dez anos, ela acordou com enjoos, tontura e uma sensação de atraso na audição. “Eu ouvia a TV, mas era como se estivesse com delay no áudio. Esperei um pouco e, como não melhorou, fui ao hospital”, lembra ela. 

A guarujaense teve a perda da audição que os médicos chamam de surdez súbita. Em 90% dos casos – como no dela –, essa surdez ocorre apenas em um ouvido e, em 60% das vezes, se tratada, pode ser corrigida parcial ou totalmente.

No entanto, muitas pessoas vão ao clínico geral e acabam com dificuldades de diagnosticar o problema. Rosely, por exemplo, primeiro teve diagnóstico de labirintite e chegou a ser medicada para isso. Só depois de procurar outros consultórios ela conseguiu a explicação correta.

“Naquele mesmo dia voltei para outro hospital. O médico resolveu me internar. Ele achou que eu estava com depressão. No dia seguinte, tive alta, sem melhora, e já tinha percebido que não estava ouvindo. Falei isso várias vezes para o médico, mas ele não levou em consideração”, conta ela, para alertar. 

“Se todos os médicos estivessem preparados e reconhecessem os sintomas, pode ser que a surdez tivesse sido revertida em até 70%”, conta ela, que ouviu isso mais tarde da médica que conseguiu identificar o problema, mas nunca a causa.

A quem recorrer 

O especialista indicado para casos de surdez súbita é o otorrinolaringologista. Ele vai tentar identificar a causa. 

Jeanne Oiticica, médica otorrinolaringologista, otoneurologista e chefe do Grupo de Pesquisa em Zumbido do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), explica.

“Pode ser infecção por algum vírus, pode ser um pequeno tumor benigno, um problema de sangue como AVC ou distúrbios metabólicos como o diabetes. E há casos mais específicos, como a síndrome de Ménière, chamada também de hidropsia endolinfática, que aumenta pressão do líquido dentro do ouvido. Pode ser ainda uma doença autoimune e até a doença do carrapato (febre maculosa)”, detalha.

Segundo a médica, a surdez decorrente de diabetes é mais comum do que se pensa. “Existe um estudo epidemiológico nos Estados Unidos mostrando que a população com diabetes tem mais perda auditiva que a população comum. Mas os casos, quando tratados, se revertem”, conta ela. No Japão, 13 estudos reunidos entre 1977 e 2011 com mais de 20 mil pessoas apuraram que esse risco é 2,15 vezes maior para os diabéticos.

As hastes flexíveis, comumente usadas para limpeza interna, até podem ocasionar o problema. “Não se deve colocar cotonete no canal do ouvido. Se você olhar, na caixa há essa orientação. A haste pode perfurar o tímpano”, explica a especialista. Ela recomenda: “Está incomodado com a coceira? Vá ao otorrino. No consultório, a gente faz a lavagem”. 

Tudo sobre: