EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

21 de Novembro de 2018

Esquema de desvio de petróleo pode ter envolvimento de donos de postos de combustíveis

Segundo a DIG, estimativa é de que o prejuízo da Petrobras seja em torno de R$ 500 mil

O esquema de desvio de milhares de litros de óleo bruto de um oleduto da Petrobras, descoberto nesta quarta-feira (7) por policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos, pode ter envolvimento de donos de postos de combustíveis como receptadores. Dois homens foram presos em flagrante. 

“A quantidade de petróleo desviada e os prejuízos causados ainda são calculados pela Petrobras, mas estima-se que sejam R$ 500 mil. Em cada despressurização eram desviados cerca de 25 mil litros. Foram várias em cerca de dois meses. O crime começou a ser cometido durante esse período e fomos acionados. Após várias investigações, descobrimos o ponto do oleoduto do qual era furtado o produto”, informou o delegado Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, titular da DIG.

Com 121 quilômetros de extensão, o oleoduto leva petróleo bruto do terminal da Petrobras de São Sebastião, no Litoral Norte, para o de Cubatão, na Baixada Santista. O desvio era realizado no Caruara, bairro da Área Continental de Santos, às margens da Rodovia Rio-Santos, pouco antes de o produto chegar ao destino.

“A quadrilha alugou um terreno na Rua Tupi, no Caruara, onde fica uma casa e um galpão. O oleoduto passa atrás da propriedade, que tinha dupla finalidade para o bando: servir de acesso à tubulação e ao mesmo tempo se constituir em camuflagem para a ação criminosa”, disse o chefe dos investigadores Paulo Carvalhal.

Instalações para o esquema de desvio de petróleo eram profissionais (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Nesse local, o motorista Marco Aurélio Vicalvi, o Batata, de 37 anos, chegou ontem com um caminhão-tanque para recolher petróleo furtado. Investigadores da DIG já monitoravam a área, mas não abordaram o acusado. Deixaram ele realizar o carregamento e o seguiram em viaturas descaracterizadas até um galpão da Avenida Marginal, no Samaritá, Área Continental de São Vicente, onde o prenderam.

O segundo galpão fica em uma via paralela à Rodovia Padre Manuel da Nóbrega e seria de responsabilidade de José Berto da Costa Filho, de 55 anos, também preso em flagrante. O delegado Leonardo Amorim Nunes Rivau autuou a dupla por furto qualificado e organização criminosa. Ele justificou o enquadramento pelo segundo delito em razão da “complexidade dos procedimentos adotados, do uso de olheiros e batedores, além da consequente existência de receptador(es) para uso ou refino do petróleo cru”.

Além do veículo de Batata, no qual havia cerca de 12 mil litros de petróleo, no terreno de José Berto foi apreendido outro caminhão, cujo dono não se encontrava no local, mas já está identificado e deverá ser indiciado. No galpão do Samaritá era feito o transbordo da carga líquida para outras carretas-tanque. A próxima etapa das investigações é identificar os destinatários finais do produto. Os indícios são de que ele seria levado ao Interior.