Baixada Santista amplia atendimento preventivo ao HIV

Chega à região a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), que impede a infecção pelo vírus da aids

06/03/2018 - 15:48 - Atualizado em 06/03/2018 - 15:48

Centro de Testagem e Aconselhamento administra o novo método (Foto: Rogério Soares/AT)

A Baixada Santista está ampliando o acesso da população à Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) — estratégia de prevenção que acontece quando o cidadão, com acompanhamento médico, toma um antirretroviral que impede a infecção pelo HIV (vírus que, quando não tratado, faz o organismo desenvolver a aids).

O anúncio acontece depois de um mês que o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) de Santos iniciou a PrEP em 11 pessoas da região, Com isso, centro público especializado em Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) deverá oferecer o medicamento a quem tiver interesse.

A ampliação só será possível porque o CTA virou o centro de referência da região para a PrEP. Ao todo, 200 pessoas poderão participar de uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para medir a eficácia do uso do medicamento Truvada contra a infecção.

O Ministério da Saúde também escolheu o centro santista para oferecer a estratégia para moradores das nove cidades da região. Assim, a coordenadora do Programa de IST/AIDS e Hepatites de Santos, Regina Lacerda, afirma que haverá vagas para todos que se enquadrarem no público prioritário definido pelas autoridades.

Condições

É preciso ser homem que faz sexo com homem (HSH), pessoa transexual, trabalhador (a) do sexo ou estar em um relacionamento sorodiscordante — quando um dos parceiros tem HIV positivo e a outro, não.

São as pessoas que estão dentro das vulnerabilidades de infecção pelo HIV”, explica Regina. Nos estudos realizados no Brasil, a PrEP está sendo usada como estratégia de prevenção principalmente para pessoas nessa situação de grande vulnerabilidade e que tenham dificuldade de utilizar o preservativo de forma sistemática.

Quem estiver na situação de poder adotar a PrEP deverá procurar o CTA (Rua Silva Jardim, 94, na Vila Mathias, em Santos). De segunda à quinta-feira, às 11h30, uma equipe faz atendimento específico para esse serviço. “Fazemos uma abordagem, mostramos como é a estratégia de prevenção combinada. Explicamos como será a rotina com o medicamento”, cita Regina.

Quem participar da PrEP tem que fazer os testes para o HIV e sífilis uma vez por mês — sempre quando buscar o antirretroviral no serviço. Nesta estratégia, a camisinha é incentivada, uma vez que as pesquisas indicam que o Truvada impede apenas a infecção pelo HIV, não protegendo contras outras infecções sexualmente transmissíveis.

Como funciona

A PrEP envolve a utilização de um medicamento antirretroviral (ARV), por pessoas não infectadas, para reduzir o risco de aquisição do HIV através de relações sexuais. “O medicamento bloqueia o ciclo da multiplicação desse vírus, impedindo a infecção do organismo”, explica o infectologista Fábio Vitor Maria, do CTA.

Há duas formas principais de PrEP: a oral, em forma de comprimido, e a tópica, em forma de gel. Nos testes que estão sendo feitos na região, a forma adotada é a oral. “Os resultados de estudos indicam que, quando a pessoa não fura a estratégia, a eficácia é de mais de 95%. Essa estratégia de prevenção pode ser extremamente útil para a mudança de cenário necessária no combate a infecção pelo vírus HIV no país”, opina.

Um por dia

O Truvada é um antirretroviral aprovado em 2004 para o tratamento de HIV/AIDS. Ele combina dois medicamentos em um comprimido: o fumarato de tenofovir desoproxila (TDF, 300 mg) e a emtricitabina (FTC, 200 mg). “Ele deve ser utilizado diariamente por via oral. Ele só é contra-indicado para pessoas com insuficiência renal”, explica o infectologista do CTA.

Veja Mais