Em São Vicente, falta de professores já é sentida por pais e alunos

Segundo alguns pais, seguidamente seus filhos têm sido dispensados mais cedo

10/11/2017 - 17:06 - Atualizado em 10/11/2017 - 17:07

A falta de professor e de substitutos em São Vicente tem sido sentida por estudantes e pais de alunos. Um exemplo disso ocorre, segundo reclamações, desde setembro, na Emef Raul Rocha do Amaral, na Vila Ponte Nova.

Segundo alguns pais, seguidamente seus filhos têm sido dispensados mais cedo. “Meu filho já foi liberado mais cedo por falta de merendeira, de professores e até por falta de merenda”, comenta Valdiva Rosa Ramos, mãe de um aluno do 2º ano na escola vicentina.

Joana D’ark de Brito, também com filho na Raul Rocha do Amaral, confirma a situação. “Os problemas são constantes. Assim, as crianças são liberadas mais cedo”, afirma.

Renata de Souza, mãe de um aluno do 2º ano na mesma escola, também reclama. “Uma hora falta merenda, outra hora falta água. Sempre há um motivo para liberarem as crianças mais cedo”, diz.

Resposta

A Secretaria de Educação de São vicente, professora Eugênia Marcondes Leal Teixeira, diz que as reclamações não procedem. “Após os questionamentos apresentados, a supervisora de ensino responsável pela EMEF Raul Rocha do Amaral fiscalizou a unidade, constatando que se encontra abastecida pela Diretoria de Alimentação Escolar (DAE). A normalidade se estende às demais escolas da rede municipal”, diz.

A secretária destaca que a EMEF Raul Rocha do Amaral conta com três merendeiras, número suficiente, segundo ela, para o atendimento da demanda da unidade. Quanto à falta de professores, ela afirma que todas as aulas na unidade estão atribuídas. “Ausências só ocorrem nos casos de faltas abonadas ou justificadas dos profissionais, conforme regimentado pelo estatuto do servidor”, completa Eugênia.

Veja Mais