Início das obras no Viaduto Mário Covas muda rotina de moradores

Pontos perto do elevado foram desativados

16/10/2017 - 17:52 - Atualizado em 16/10/2017 - 18:09

Viaduto foi interditado após Justiça determinar realização de reparos (Foto: Rogério Soares/AT)

O primeiro dia útil em São Vicente com os ônibus e caminhões proibidos de trafegar pela viaduto Mário Covas, na Vila Margarida, mudou a rotina dos moradores do bairro. Ainda perdidos com as alterações nos itinerários dos coletivos, alguns passageiros precisaram sair mais cedo de casa e caminhar algumas quadras para encontrar o ônibus.

O funcionário público Carlos de Souza, de 52 anos, por exemplo, estava acostumado a pegar o 10 perto de sua casa, na Avenida Nações Unidas. Agora, com as mudanças, ele precisa andar até a Avenida Mascarenhas de Moraes. “Me prejudicou bastante. Além de precisar caminhar, levo mais tempo para chegar no Centro da Cidade, pois o ônibus vai até a Linha Amarela para depois chegar no Centro”, reclama ele. 

A auxiliar de enfermagem Hilariana Bandeira de Alencar Souza, de 28 anos, não foi pega de surpresa ontem com as mudanças, porque no domingo – primeiro dia das alterações – teve que mudar de ônibus no meio do caminho. 

“Subi no ônibus e vi que o motorista mudou o trajeto. Para não chegar atrasada no trabalho, desci e peguei um outro. Eu não sabia das mudanças. Por sorte, cheguei em cima da hora no serviço. Acho que empresa de ônibus tinha que ter avisado os passageiros que as alterações aconteceriam”. 

Mais opções

Moradora da Vila Margarida, a operadora de loja Samanta Aparecida, de 24 anos, não foi prejudicada com os ônibus que lhe servem para seguir ao trabalho. Porém, na hora de retornar para casa encontra problemas. “Saio à noite do trabalho e sempre tive três opções de ônibus pra voltar. Agora, só o 942 para no ponto da rua em que moro. É um problema, porque às vezes ele demora e chego tarde em casa”. 

A proibição de ônibus e caminhões deve-se a uma determinação judicial, após a Ecovias entrar com uma ação contra a Prefeitura da Cidade por causa da demora no início da reforma do viaduto. Há três anos a concessionária que administra a Rodovia dos Imigrantes, cuja pista passa embaixo do viaduto, alerta para o risco de cair na estrada. 

Procurada pela Reportagem, a Ecovias afirmou que ontem foi realizada a demarcação da área e executados trabalhos iniciais de recuperação. A BR Mobilidade, por sua vez, afirmou, por meio de nota, que um comunicado informando as alterações de rota foi colocado em todos os ônibus da Cidade. 

As mudanças atingem as seguintes linhas: 904, 905, 910, 912, 912BI1, 912DV1, 921, 922, 928, 931, 932, 934, 934EX1, 939, 939DV1, 940, 942VP1, 942, 943, 945, 947VP1, 947, 948 e 948DV1.

Veja Mais