Licitação do transporte coletivo em Santos só tem duas interessadas

Uma delas é a atual responsável, a Viação Piracicabana. Tarifa do serviço não poderá ultrapassar R$ 3,30

15/04/2015 - 22:03 - Atualizado em 15/04/2015 - 22:07

Viação Piracicabana é uma das concorrentes

Apenas duas empresas apresentaram propostas para a concorrência pública destinada a definir a futura permissionária do serviço de transporte coletivo de passageiros por ônibus, em Santos.

Uma delas é a atual responsável, a Viação Piracicabana. A outra é a MobiBrasil, de Pernambuco, que já opera linhas na Zona Sul da Capital, em Diadema e em Sorocaba.

Vencerá a licitação a que apresentar a menor tarifa. Porém, o valor protocolado por elas na Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de Santos, na sessão pública realizada nesta quarta-feira (15), não foi divulgado.

O teto estabelecido no edital para as participantes da disputa é de R$ 3,30. Os números apresentados atenderam essa exigência, segundo o diretor de Transportes Públicos da CET, Rogério Vilani.

Desde o lançamento da concorrência, foram registrados 23 pedidos para a retirada de edital. Deles, nove ou dez partiram de empresas do ramo de transporte.

Vilani acredita que o valor máximo de R$ 3,30 estipulado pela CET pode ter inibido a participação de um número maior de interessados, por entenderem que a tarifa seria insuficiente para arcar com as obrigações previstas no edital para a vencedora.

“Colocamos uma licitação na rua muito desafiadora para exigir a melhoria da qualidade do serviço. Não podemos correr atrás de empresas para participar da licitação. Nosso papel é fazer um edital que não restrinja a participação de empresas sérias e, ao mesmo tempo, que dê melhor publicidade possível sobre o assunto”, diz.

Próximos passos

A equipe técnica da CET analisará a viabilidade econômica das propostas. Ao encerrar essa etapa, será publicada no Diário Oficial de Santos a classificação da empresa com o menor valor da passagem. A previsão é que essa divulgação ocorra na próxima semana.

Uma nova sessão pública será marcada pela empresa municipal para a abertura dos envelopes com toda a documentação das empresas classificadas.

Na ocasião, será verificado o cumprimento das exigências do edital. Se tudo estiver em ordem, a primeira colocada será declarada vencedora. Caso contrário, estará desclassificada.

Rogério Vilani justifica que a inversão de fases de licitação foi uma estratégia adotada para agilizar o processo. Normalmente, verificam-se todos os papéis exigidos para, na sequência, avaliar as propostas comerciais.

Veja Mais