Santos tem prejuízo de R$ 100 mil e acerto de mensalidades recorde

A maior despesa do clube foi com a contratação de seguranças para o evento

11/10/2018 - 18:41 - Atualizado em 11/10/2018 - 18:50

Cerca de 256 associados acertaram as pendências para votar na assembleia (Foto: Bruno Gutierrez/AT)

O processo de impeachment do presidente do Santos, José Carlos Peres, chegou ao fim no último dia 29, com a decisão dos associados, na assembleia geral, de mantê-lo à frente do clube. Pouco menos de duas semanas depois, chega a conta de todo o conflito político, que mesmo regularizando a situação de centenas de sócios inadimplentes deixou prejuízo financeiro de R$ 100 mil.

De acordo com informações obtidas por A Tribuna On-line, 256 associados do Santos que não estavam com seus boletos em dia compareceram à secretaria do clube, entre 11 e 23 de setembro, para acertar as pendências e, assim, ter direito a voto na assembleia geral.

Ao todo, 873 mensalidades atrasadas foram quitadas e R$41.100,00 entraram nas contas bancárias do Santos. Os números saltam aos olhos pelo fato de que, mensalmente, o clube recebe menos de cinco pessoas interessadas em regularizar os seus boletos.

Considerando as despesas com a organização da votação, dentro e fora da Vila Belmiro, o Santos gastou R$142.513,50. A maior despesa do clube foi com a contratação de seguranças para o evento. No total, mais de 180 profissionais foram contratados para manter a ordem na assembleia geral. Desta forma, foi necessário desembolsar R$60.825,50.

Com a alimentação de todos os profissionais envolvidos no evento – almoço e lanche da tarde –, o Santos teve despesa de R$17.400,00. Valor parecido com o que foi gasto no aluguel de seis ônibus e duas vans para fazer o transporte de associados vindos da Capital: R$17.050,00.

Os funcionários do clube escalados para trabalhar durante o processo de votação fizeram a diretoria gastar R$16.200,00 com o pagamento de horas extras. A confecção de uniformes também gerou custos. Foram gastos R$11.670,00 com a fabricação de roupas destinadas, principalmente, a todos os contratados para a segurança e organização.

A segurança patrimonial e a higienização resultaram numa despesa de R$ 10 mil. O aluguel de equipamentos, somado aos serviços prestados por terceiros, geraram o gasto de R$6.093,00. A conta foi fechada com os serviços gráficos contratados para a produção das cédulas de votação e de faixas de identificação, que custaram R$3.275,00.

Ao colocar no papel os valores que entraram com o pagamento de mensalidades atrasadas e saíram dos cofres alvinegro com as despesas da assembleia geral, conclui-se que o Santos teve prejuízo de R$101.413,50.

Veja Mais