Santos e Vagner Love tinham contratos assinados

Entre outras coisas, dirigentes turcos sumiram, e atleta procurou cartola na concentração

16/08/2018 - 17:53 - Atualizado em 16/08/2018 - 19:12

Santos pagaria pela liberação de Vagner Love
(Foto: Anadolu Agency/Getty Images)

O acerto entre Santos e Vagner Love esteve realmente muito perto de se confirmar, antes do fechamento da janela de transferências internacionais no Brasil, às 23h59 desta quarta-feira (15). Conforme o apurado por A Tribuna On-line, clube e jogador já haviam, inclusive, assinado o contrato que firmava a transferência do atacante do Besiktas, da Turquia, para o time da Vila Belmiro. 

O anúncio, entretanto, só não ocorreu por conta de seguidos sumiços dos dirigentes europeus, e de uma exigência repentina feita pelos turcos. Na expectativa de voltar ao Brasil, o jogador ficou acordado durante toda a madrugada tentando colaborar com o acerto. 

De acordo com informações obtidas pelo site, Santos e Besiktas haviam se acertado verbalmente sobre a transferência ainda durante o período da tarde no Brasil (noite na Turquia por conta das seis horas de diferença do fuso horário). 

Os turcos, que até semana passada não queriam negociar o atacante, mudaram de ideia devido à crise econômica que atinge o país. Diante disso, aceitaram rescindir o contrato de Love mediante o pagamento de um valor feito pelo Santos. 

Com a anuência dos cartolas europeus, membros da cúpula alvinegra iniciaram as tratativas com o jogador, e rapidamente chegaram a um acordo em relação a salários e tempo de vínculo. Tudo estava encaminhado. 

No início da noite no Brasil, o departamento jurídico do Santos elaborou o contrato. O documento foi assinado pelo presidente José Carlos Peres e enviado à Turquia, onde o centroavante também assinou. Faltava apenas o presidente do Besiktas rescindido contrato de Vagner Love para que a documentação fosse entregue na CBF. A partir daí, tudo aquilo que estava encaminhado virou uma corrida contra o tempo.

Os turcos sumiram 

Procurados de diferentes formas, tanto o presidente do clube turco, Fikret Orman, quanto o diretor de futebol da equipe, Ali Naibi, sumiram. Pessoas ligadas ao Santos e a Vagner Love, que estava na Austria, concentrado com o Besiktas para a partida desta quinta-feira (16), contra o Lask Linz, válida pela Liga Europa, tentavam contato por meio de telefonemas e mensagens via Whatsapp. Todas sem sucesso. 

O próprio atleta tentou conversar pessoalmente com Ali Naibi, que também estava na Áustria. Mas o dirigente não foi localizado dentro do hotel em que o time estava hospedado.

Já com o relógio virando a madrugada na Turquia, o presidente do Besiktas atendeu um dos contatos feitos pelos empresários do atacante. Porém, na hora de assinar a rescisão, ele fez uma nova exigência. O pedido foi repassado ao presidente do Santos, que acompanhava o compromisso do time, no Mineirão, contra o Cruzeiro pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Ainda assim, José Carlos Peres atendeu a exigência e deu o aval para sacramentar a transação. Um novo contrato foi elaborado e enviado ao presidente da equipe europeia. Esse, por sua vez, com o relógio na Turquia marcando entre 4 e 5 horas da manhã, sumiu mais uma vez. 

Buscas no hotel

Na concentração, Vagner Love persistiu na busca pelo diretor de futebol até pouco antes da meia-noite de Brasília. Sem que nenhum deles fosse localizado, o Peixe viu mais uma tentativa de contratação fracassar. 

Em entrevista ao site, Evandro Ferreira, empresário de Vagner Love, afirmou que nunca havia visto um comportamento tão inusitado como o dos representantes do Besiktas. 

"Está tava certo entre todo mundo. O Santos cumpriu tudo que estava ao seu alcance, mas o presidente do Besiktas sumiu. Eu nunca vi um negócio desses. E além disso teve o sumiço do Naibi (diretor de futebol). O Vagner ficou acordado a madrugada inteira atrás dele no hotel, mas ninguém o achava. Nós tentamos até o limite máximo e até agora eles não me deram uma satisfação para explicar tudo o que ocorreu", falou o agente.

Veja Mais