Santos é autuado pelo Procon por rejeitar pagamento de mensalidades em dinheiro

Orgão fiscalizador advertiu que a situação é passível de multa – que pode chegar a R$ 9 milhões

22/09/2018 - 15:41 - Atualizado em 22/09/2018 - 15:46

Vila Belmiro receberá Assembleia Geral Extraordinária no dia 29 (Foto: Carlos Nogueira/AT)

O Santos foi autuado pelo Procon, neste sábado (22) pela manhã, por ter se recusado a receber dinheiro para o pagamento de mensalidades. Desconfiado do alto movimento na regularização de sócios a uma semana da assembleia que vai votar o impeachment do presidente José Carlos Peres, o clube só aceita o pagamento com cartão de crédito ou débito.

Inconformados com a situação, associados que faziam questão de pagar em dinheiro acionaram o Procon. O diretor regional do órgão de defesa do consumidor, Rafael Quaresma, compareceu à Vila Belmiro e constatou o problema. Ele manteve contato com o departamento jurídico do clube, avisou que a prática de limitar o pagamento a cartões é irregular e advertiu que a situação é passível de multa – que pode chegar a R$ 9 milhões. Ainda assim, o Santos seguiu rejeitando pagamento em dinheiro.

“Até a quinta-feira era possível pagar em dinheiro. De sexta-feira para cá é que houve a restrição. Rejeitar pagamento em dinheiro é prática proibida por lei, pois viola a economia popular. Questões internas do clube não podem refletir no funcionamento do processo. Demos até o dia 28 para o Santos apresentar sua defesa”, explica Quaresma.

Na sexta-feira, o Santos procurou a polícia solicitando abertura de inquérito para apurar a movimentação que considera suspeita na regularização de mensalidades atrasadas. O clube desconfia que alguém interessado em influenciar no processo de impeachment poderia estar patrocinando o pagamento das mensalidades.

O prazo para a regularização de mensalidades em atraso termina neste domingo (23).

Veja Mais