Em alta, Santos enfrenta o perigoso Barcelona, em Guayaquil

Equatorianos já eliminaram três campeões continentais na competição deste ano

13/09/2017 - 08:48 - Atualizado em 13/09/2017 - 08:53

Jogadores do Santos treinaram no estádio do Barcelona para reconhecer gramado (Foto: Divulgação/Santos FC)

O Santos inicia as quartas de final da Libertadores da América, contra o Barcelona do Equador, nesta quarta (13), às 21h45, em Guayaquil, em seu melhor momento no ano. Além de invicto no torneio, o time não perde há 16 jogos, somando as partidas disputadas na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro. A confiança decorrente da ótima fase é uma das armas diante de um rival perigoso.

Os equatorianos já eliminaram três campeões continentais. Na etapa de grupos, o adversário santista deixou para trás o Estudiantes, da Argentina, e o Atlético Nacional, da Colômbia, o vencedor da edição passada.


Já nas oitavas de final, superou o Palmeiras. O Barcelona se classificou nos pênaltis, após vencer em sua casa por 1 a 0 e perder no Allianz Parque pelo mesmo placar.

Além disso, o clube do Equador conta com seis atletas da seleção local. São eles os atacantes Oyola e Marcos Caicedo, os zagueiros Aimar e Caicedo, o goleiro Banguera e o lateral Velasco.

Os jogadores do Santos estão cientes de que, embora seja uma surpresa, o rival tem méritos. Porém, embalado, principalmente após vencer por 2 a 0 o Corinthians, o líder do Brasileiro, o Peixe quer trazer um bom resultado, a fim de definir a vaga na semifinal na Vila Belmiro, na próxima quarta-feira.

Para isso, Levir Culpi vai escalar praticamente força máxima. A única ausência é Jonathan Copete. Com mialgia (dores musculares) na coxa esquerda, o atacante deve dar lugar a Thiago Ribeiro. 


Postura

Destaque na vitória por 2 a 0 sobre o Corinthians, no domingo, Lucas Lima espera que o Santos aproveite sua melhor arma para vencer nesta noite. “Acho que não podemos ficar lá atrás, tomando sufoco. Temos de tentar pressionar e sabemos da força do nosso contra-ataque. Sempre que jogamos fechadinhos, mesmo sofrendo um pouco, a gente cria boas oportunidades. Temos de mesclar a pressão alta e baixa, sempre atentos, porque será um confronto complicado”.

Veja Mais