Nefrologia de Praia Grande receberá investimentos de R$ 6,1 milhões

Centro especializado é habilitado pelo Ministério da Saúde; local passará dos atuais 14 equipamentos de hemodiálise para 35

26/10/2017 - 12:30 - Atualizado em 26/10/2017 - 12:30

O Centro de Nefrologia de Praia Grande (Nefro-PG), unidade pública especializada em doença renal crônica, foi habilitado pelo Ministério da Saúde e passará a receber R$ 6,1 milhões por ano do Sistema Único de Saúde (SUS). Com isso, o local poderá ampliar de 14 para 35 o número de equipamentos de hemodiálise e se tornar referência no atendimento de pacientes de toda a Baixada Santista.

Localizada na Avenida Presidente Costa e Silva,1.397, no Boqueirão, a Nefro-PG conta com equipes multidisciplinares, compostas por médicos nefrologistas (incluindo Pediatria), Enfermagem, Psicologia, Nutrição e Assistência Social. É voltada à prevenção, diagnóstico, consulta e tratamento de doenças renais. 

“Hoje, atendemos 35 pacientes de hemodiálise de Praia Grande. Com esse número maior de equipamentos, vamos atender 214 pacientes da Cidade e de toda a Baixada Santista, ou seja, vamos aumentar em mais de 600% nossa capacidade de atendimento”, disse o prefeito de Praia Grande e presidente do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb), Alberto Mourão.

Expectativa é aumentar em 600% atendimento no local (Foto: Divulgação/ Prefeitura de Praia Grande)

Repasse por produção

Agora, de acordo com o secretário de Saúde Pública de Praia Grande, Cleber Suckow Nogueira, será discutida a quantidade de atendimentos para pacientes de outras cidades. “Vamos disponibilizar um número bom de atendimentos para a região, ajudando a absorver a demanda de outros municípios”, explicou o secretário.

Atualmente, a Santa Casa de Santos e o Hospital Santo Amaro, de Guarujá, também oferecem o serviço.

Ministério

O repasse foi publicado na Portaria 2.530/2017 do Diário Oficial da União (DOU). Segundo o Ministério da Saúde, o documento levou em consideração a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal, válida em todo o Brasil. 

Essa política permitiu que o Ministério da Saúde e as secretarias estaduais e municipais pudessem desenvolver ações, como estratégias de promoção à qualidade de vida, organizar linhas de cuidados integrais”, diz a pasta, em nota. Além disso, também pretende ampliar a cobertura a quem sofre das principais doenças que causam insuficiência renal e visa ainda garantir equidade na entrada em lista de espera para transplante renal. 

Veja Mais