Mau cheiro de navio com bois no Porto de Santos volta a incomodar moradores

Manifestação contra a exportação de cargas vivas irá acontecer neste domingo

04/02/2018 - 11:43 - Atualizado em 04/02/2018 - 11:53

Navio Nada, atracado no Porto de Santos, está com milhares de bois (Foto: Carlos Nogueira/A Tribuna)

Moradores de Santos voltaram a reclamar do mau cheiro proveniente do navio com bois embarcados no Porto de Santos. Desde a noite de sábado (3), o odor voltou a se espalhar pela Cidade, e não apenas no Centro, como era inicialmente. Neste domingo (4), às 14 horas, está prevista uma manifestação contra o embarque de cargas vivas, que está suspensa por decisão da Justiça.

"Ontem a noite estava forte demais aqui no BNH, na Aparecida. Foi desconfortável, ainda mais com bebê em casa", comentou Denise Kaciores em uma postagem na página de A Tribuna no Facebook.

"Ontem estive em Santos por volta da 1 hora. Quando chegamos na Avenida Francisco Glicério, no Canal 2, o cheiro já começou a incomodar muito, mas foi aumentando. Às 3 horas, era insuportável, chegava a dar enjoo", publicou Patricia Liscio Morelli.

"Eu moro no Canal 3 e ontem à noite estava insuportável o odor. Fiquei inconformada. Nem estou tão próxima do Porto e o cheiro chegou aqui em casa. Tive que fechar todas as janelas porque estava dando enjoo", contou Ariane Andrade.

"Os bois já estão no navio, que vão embora. Proibam os próximos embarques. A cidade inteira está pagando e os bichos, sofrendo", defendeu Fernando Câmara.

Houve ainda, no post de A Tribuna, relatos no mau cheiro nos bairros Campo Grande, Gonzaga, Vila Mathias, Macuco, Vila Belmiro, Marapé, Saboó, Morro São Bento, Morro da Penha, Boqueirão, Encruzilhada, entre outros. Moradores de outras cidades também dissera ter sentido o odor.

Decisão judicial

Acionada por ativistas, a Justiça suspendeu o embarque de bois no navio Nada, atracado no terminal Ecoporto, e ordenou o desembarque dos animais e o retorno às fazendas de origem, o que ainda não começou a acontecer. Os 27 mil bois seriam exportados para a Turquia.

O Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região manteve, nesse sábado, a suspensão de exportações de animais vivos em todo o Brasil. A desembargadora Diva Prestes Malerbi negou pedido da empresa Minerva Foods para derrubar a decisão liminar (antecipada e provisória) do juiz Djalma Moreira Gomes, da 25ª Vara Cível Federal de São Paulo, tomada na sexta-feira (2) à noite. 

Para a desembargadora, não há clareza sobre a existência ou não de maus-tratos, por conta de laudos de veterinários que apontam informações conflitantes. A magistrada optou por manter a liminar até que todos os fatos sejam esclarecidos em julgamento futuro. 

A suspensão das exportações e o desembarque dos bois foram pedidos feitos em ação civil pública pelo Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal (FNPDA). A organização denunciou maus tratos ao gado que aguarda, no cais santista, exportação para a Turquia.

A decisão judicial levou em consideração laudos de um biólogo e duas veterinárias, apresentados pelo FNPDA, e da veterinária Magda Regina, indicada pela Justiça para inspeção no navio. A profissional destacou que os animais encontram-se "em condições de higiene muito precárias", que a quantidade de urina e fezes acumuladas "propiciou impressionante deposição no assoalho de uma camada de dejetos lamacenta" e que o odor era "intenso tornando difícil a respiração".

Multas

A Prefeitura de Santos multou duas vezes, na semana passada, a empresa Minerva Foods. Uma das autuações, de R$ 1,4 milhão, foi por maus tratos no transporte. A outra, de R$ 2 milhões, foi pelo mau cheiro das fezes dos animais na Cidade. Há previsão de mais multas enquanto o problema do odor persistir.

"Os fiscais estão elaborando análises sobre a permanência de eventuais irregularidades e o infrator será multado de acordo com cada ato. Na segunda-feira (5) essas análises serão apresentadas e, se definidas sanções, a empresa será punida", disse a Prefeitura, em nota.

Procurada, a Minerva não comentou a decisão judicial e reafirmou que, em seu processo de exportação de gado vivo, segue todos os procedimentos para preservar o bem-estar dos animais durante o transporte, embarque e no decorrer da viagem até o destino. A empresa pontuou que essa exportação é regulamentada pelo Ministério da Agricultura.

Manifestação

Defensores da causa animal se preparam para uma manifestação, às 14 horas deste domingo, na Praça dos Andradas, no Centro. Segundo descrição do evento no Facebook, o objetivo é pressionar os responsáveis para que tomem uma atitude contra o embarque de animais vivos.

Até a publicação desta matéria, 680 pessoas haviam confirmado participação no ato por meio da rede social.

Veja Mais