PM é morto a pauladas em Praia Grande; pai dele também é agredido

Soldado de 29 anos terminaria o curso de formação da Polícia Militar em dezembro

05/11/2017 - 10:50 - Atualizado em 05/11/2017 - 15:28

Soldado de 29 anos se formaria na Escola da PM
no mês que vem (Foto: Arquivo pessoal)

Um soldado da Polícia Militar em formação morreu ao ser atacado com pauladas, facadas e tiros em uma casa, no Jardim Anhanguera, em Praia Grande, por volta das 23 horas desse sábado (4). O pai dele, que seria deficiente físico, também foi agredido e chegou a ser hospitalizado.

De acordo com o Boletim de Ocorrência, registrado na Delegacia Sede, dois policiais militares foram chamados para atender uma ocorrência em uma residência na Rua Josefa Alves Siqueira. Chegando lá, depararam-se com o soldado Willian Barboza Ribas, de 29 anos, já morto. Ele se formaria na Escola da Polícia Militar no mês que vem e estaria visitando o pai.

Segundo o porta-voz da PM na Baixada Santista, capitão André Bonifácio, o policial foi executado com pauladas, facadas e possivelmente tiros. Ele disse que o crime teve requintes de crueldade.

O pai do policial, que teria deficiência física, também foi atacado, com pauladas e golpes de faca, e foi socorrido ao Hospital Irmã Dulce. A assessoria de imprensa da unidade informou, por volta das 12h30, que o homem foi ferido sem gravidade, medicado e liberado, sem dar mais detalhes.

A Polícia Civil ainda não sabe como o crime ocorreu e investiga o que motivou o assassinato do PM e quem foram os autores.

Os PMs que atenderam a ocorrência constataram que diversos objetos do imóvel estavam fora do lugar. Eles encontraram uma pistola, que seria do PM, ao lado da cama em um quarto, com 15 cartuchos íntegros.

Embora haja a suspeita de que o soldado tenha sido assassinado por ter sido identificado como policial por criminosos, a Polícia Militar ressaltou, por meio de seu porta-voz, que é preciso esperar as investigações.

Na ação, os autores do crime não levaram a arma e o colete do PM e outros pertences da casa, o que enfraquece a hipótese de tentativa de latrocínio (roubo seguido de morte). O caso foi registrado como homicídio (do soldado) e lesão corporal (ao pai do policial).

Investigação

De acordo com o comandante da Escola Superior de Soldados, coronel Figueiredo, a Corregedoria da Polícia Militar designou uma equipe do programa PM Vítima para "acompanhar o desenrolar dos acontecimentos, identificar os autores e promover sua prisão e responsabilização".

Em casos de assassinatos de policiais militares, a Corregedoria atua em parceria com a Polícia Civil.

Em áudio enviado a PMs, o coronel Figueiredo manifestou sua tristeza com o que chamou de "assassinato covarde" por "circunstâncias ainda não esclarecidas". "Estamos bastante consternados com esse fato que nos entristece sobremaneira, pelo fato de que, daqui a 18 dias, o soldado Ribas, ao lado de quase outros 300 companheiros, se formaria, realizando o sonho de ser soldado da Polícia Militar".

Ele disse que uma equipe da Escola Superior de Soldados foi destacada para acompanhar o caso, dando suporte administrativo e psicológico à família e aos amigos do PM assassinado.

O coronel terminou sua mensagem pedindo orações para que "Deus acolha esse nosso companheiro, que compõe uma triste estatística de mortes de policiais militares".

Veja Mais