Estuprador é preso em flagrante em Cubatão

Edson dos Santos foi detido por tentar abusar de uma mulher na terça e , em seguida, foi reconhecido por outra vítima do mesmo crime

16/05/2018 - 21:40 - Atualizado em 16/05/2018 - 21:43

Agressor tem um escorpião tatuado no braço, o que ajudou
com que os policiais ligassem os crimes (Divulgação)

O homem acusado de estuprar uma adolescente de 14 anos a caminho da escola, em Cubatão, às 12h30 do último dia 2, foi preso em flagrante no final da tarde de terça-feira, ao tentar abusar sexualmente de uma mulher no município.

 

Com 25 anos de idade, a mulher estava no ponto de ônibus da Avenida Joaquim Jorge Peralta com a Rua Uruguai, no Casqueiro, quando foi arrastada pelo pedreiro Edson Adriano Calixto dos Santos, de 36 anos, até um terreno baldio nas imediações.

A vítima contou que foi jogada no chão e chegou a oferecer o seu celular para o acusado, mas ele recusou, dizendo que queria “outra coisa”. Desesperada, a jovem gritou por socorro, sendo ouvida pelo companheiro, que estava nas proximidades, e por duas pessoas, que passavam de carro pelo local.

A chegada de terceiros afugentou Edson. Porém, ele logo foi alcançado por outros populares. Os policiais civis João Paulo Sayão e Lídio Carvalho estavam no plantão do 2º DP de Cubatão e foram avisados por alguém que acontecia uma “briga” ali perto.

“Os investigadores foram até o local indicado e se depararam com o acusado caído no chão, com várias pessoas ao seu redor”, informa o delegado Angel Gomes Martinez. Os populares se afastaram e não foram identificados, mas logo surgiu a vítima e relatou o ocorrido.

Os investigadores suspeitaram que Edson poderia ser também o autor do estupro da menina. “A desconfiança surgiu porque a estudante foi arrastada para um lugar ermo, assim como a jovem. Além disso, a garota mencionou que o maníaco possui uma tatuagem no braço”, explica Angel.

Solteiro e morador no Casqueiro, Edson tem um escorpião tatuado no braço e foi conduzido à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Cubatão. Titular da unidade, a delegada Mayla Ferreira Hadid entrou em contato com os pais de menina, que à levaram à repartição.

A estudante abusada no começo do mês pedalava pela Estrada Metalúrgico Ricardo Reis  quando foi atacada (Reprodução)

Com “absoluta convicção”, conforme Mayla, a estudante reconheceu o pedreiro como o homem que a estuprou. Por esse motivo, Edson foi indiciado por esse crime e autuado em flagrante pela tentativa de estupro da jovem abordada no ponto de ônibus.

A estudante pedalava uma bicicleta pela Estrada Metalúrgico Ricardo Reis, que liga o Casqueiro à Ilha Caraguatá, quando o pedreiro a agarrou pelo pescoço e a arrastou a um matagal às margens daquela via.

A vítima chegou a desmaiar. Ao recobrar os sentidos, ela percebeu que havia sido estuprada e saiu da mata. Policiais militares que transitavam de viatura pela estrada se depararam com a adolescente suja, com o nariz sangrando e empurrando a sua bicicleta.

Passagens criminais

Apesar de ser primário, porque não possui condenação criminal definitiva, o pedreiro registra duas passagens policiais, conforme apurou a delegada Mayla. A mais recente aconteceu às 13h30 do dia 31 de março, um sábado, na Praia da Aparecida, em Santos.

Populares começaram a bater em Edson, porque ele teria ejaculado enquanto tomava banho de mar. O acusado foi salvo graças à rápida intervenção de policiais militares e negou o episódio.

Levado à Central de Polícia Judiciária (CPJ), onde o caso foi registrado como “ato obsceno”, Edson foi liberado por falta de prova.

Em 12 de agosto de 2017, PMs resgataram o pedreiro e uma jovem de 24 anos caídos dentro de um canal na Vila dos Pescadores, em Cubatão. Segundo a moça, ela combinou um programa amoroso com o acusado por R$ 50,00, mas ele só pagou R$ 20,00.

A jovem cobrou o restante e o acusado a agarrou pelo pescoço. A vítima tentou afastar Edson e ambos se desequilibraram, caindo no canal. O pedreiro negou a versão da moça, sendo liberado após a elaboração de boletim de ocorrência de “lesão corporal e ameaça”.

Veja Mais