''Estou sem entender nada'', diz irmão de vendedor de churros assassinado

Vítima, sequestrada e morta na segunda (8), não tinha antecedentes criminais. Motivação ou autoria do crime são mistério para a polícia

10/10/2018 - 17:46 - Atualizado em 10/10/2018 - 17:46

Vítima vendia churros em frente à Santa Casa de Santos (Foto: Alexsander Ferraz/ AT)

“Estou sem entender nada”. A perplexidade do balconista José Alberto da Silva Moreira, de 30 anos, serve para dimensionar o mistério que envolve a execução a tiros do seu irmão, o vendedor de churros Ronaldo da Silva Moreira, de 27.

Sequestrado na segunda-feira (8) à noite na Avenida Ana Costa, na Vila Mathias, em Santos, Ronaldo foi achado morto, com as mãos imobilizadas para a frente, debaixo de um viaduto da Rodovia dos Imigrantes, na Vila Esperança, em Cubatão.

O Setor de Homicídios da Delegacia Especializada Antissequestro de Santos (Deas) investiga o crime, mas ainda não tem pistas da motivação e da autoria. Por esse motivo, tudo é checado, não sendo descartada qualquer hipótese.

Solteiro e sem namorada, o vendedor de churros não registrava passagens pela polícia. “Ronaldo era trabalhador, não possuía dívidas, não usava drogas e nem se queixava de qualquer tipo de ameaça”, garantiu o seu irmão.

Natural de João Alfredo (PE), a vítima já residiu em Santos por aproximadamente dois anos e retornou à cidade natal. Há cerca de seis meses, com a finalidade de trabalhar, ela voltou a Santos, passando a morar com o irmão, que é casado e tem dois filhos.

Ronaldo não era o dono do carrinho de churros no qual trabalhava, em frente à Santa Casa de Santos. Na segunda-feira à noite, por volta das 20 horas, ele saiu do hospital e empurrava o carrinho para guardá-lo em um estacionamento, como fazia rotineiramente.

Quarenta minutos depois, Ronaldo foi sequestrado na Ana Costa, perto do estacionamento. O carrinho foi deixado intacto na avenida. Por meio de anotações encontradas neles foi possível avisar o seu irmão, que registrou inicialmente boletim de ocorrência de desaparecimento, no 7º DP.

Ronaldo da Silva Moreira, de 27 anos, foi sequestrado e 
morto na segunda (Foto: Divulgação)

O vendedor de churros levou quatro tiros, sendo um de raspão na testa, outro atrás da orelha direita e mais dois na lateral da cabeça. Na manhã de terça-feira (9), dois adolescentes que passavam sob o viaduto da Imigrantes viram o cadáver e avisaram a Polícia Militar.

Um morador das imediações contou que estava em casa, por volta das 22 horas de segunda-feira, quando ouviu o barulho de quatro disparos. No entanto, ele ficou com medo e não saiu de sua residência para verificar o que aconteceu.

Traslado de avião

O corpo de Ronaldo foi liberado nesta quarta-feira (10) pelo Instituto Médico-Legal (IML) de Santos. O sepultamento ocorrerá nesta quinta-feira (11) à tarde, no município de João Alfredo, onde residem os pais e outros familiares do jovem.

O traslado será de avião. O voo está programado para decolar do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, às 7h15, com destino a Recife. O trajeto da capital pernambucana até João Alfredo será de carro. A distância entre as duas cidades é de 105 quilômetros, sendo o tempo de viagem estimado em duas horas.

Veja Mais