Depoimento de menor que atropelou e matou tia e menino é adiado

Após postagens sobre protestos em frente ao Fórum, advogado decidiu adiar depoimento

14/11/2017 - 20:13 - Atualizado em 14/11/2017 - 21:41

Isabel e Enzo morreram atropelados
(Foto: Reprodução/Facebook)

O adolescente que dirigia o Audi A3 que atropelou e matou um menino de 2 anos e a tia da criança, de 18, seria ouvido na tarde desta terça-feira (14) na Promotoria da Infância e da Juventude, mas o seu depoimento foi adiado.

De acordo com o advogado Alexandre Lourenço Gumiero, constituído para defender o rapaz, “autoridades” decidiram adiar o depoimento após a postagem de comentários nas redes sociais sobre manifestações que ocorreriam na frente do Fórum de Santos.

O adolescente se apresentou acompanhado na Delegacia de Infância e da Juventude (Diju) de Santos na quinta-feira da semana passada, nove dias após o acidente, ocorrido na pista Centro-praia da Avenida Dr. Waldemar Leão, perto do Túnel Rubens Ferreira Martins, no Jabaquara.

Naquela ocasião, ele saiu da Diju com um termo de compromisso para comparecer ontem na Promotoria da Infância e da Juventude para a sua “oitiva formal”. Esta é a denominação dada ao depoimento prestado ao Ministério Público, conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

No momento da saída do adolescente da Diju havia um grupo de familiares e conhecidos das vítimas. As pessoas gritavam “justiça” e “assassino”, motivando a delegada Rita de Cássia Garcia Mendes a determinar que o rapaz fosse colocado em uma viatura e levado para outro local, como forma de evitar eventual agressão.

Promotora da Infância e da Juventude, Adriana Cimini declarou ontem que ainda analise o procedimento sobre o caso para verificar se requisitará a produção de outras provas. Somente após esse estudo, a representante do Ministério Público disse que designará a data para a oitiva informal do acusado.

Adriana não confirmou que o depoimento foi adiado pelo receio de possíveis manifestações na frente do Fórum, embora Gumiero tenha garantido que nova data para a oitiva formal do adolescente foi definida ontem mesmo.

Na hipótese de ser representado pelo MP, o adolescente será ouvido novamente, desta vez pelo Juízo da Infância e da Juventude, durante “audiência de apresentação”. Previstas no ECA, a representação de menor infrator e a sua audiência de apresentação equivalem, respectivamente, à denúncia e ao seu interrogatório judicial.

Na versão que apresentou na Diju, o adolescente alegou que foi atrapalhado por dois motociclistas que o ultrapassaram pela direita. Negou ter ingerido bebida alcoólica e estar em velocidade excessiva, embora não soubesse precisar a quantos quilômetros por hora transitava. Por fim, justificou a sua fuga ao temor de ser agredido.

O atropelamento causou a morte do menino Enzo Henrique Siqueira Ricardo e da sua tia, Isabel Cristina Siqueira Rodrigues. O adolescente completará 18 anos no próximo dia 16 de dezembro e ganhou o Audi do pai como presente antecipado de aniversário.

Veja Mais