Em decisão brasileira, Érika Miranda conquista bronze no Mundial

Judoca venceu Jéssica Pereira por estrangulamento; foi a primeira medalha brasileira na competição

21/09/2018 - 15:01 - Atualizado em 21/09/2018 - 15:46

Érika chegou a quinta medalha em Mundiais (Foto: Rodolfo Vilela/rededoesporte.gov.br)

Érika Miranda aumentou sua coleção de medalhas em Campeonatos Mundiais de Judô nesta sexta-feira (21). Em duelo contra a também brasileira Jéssica Pereira, a judoca conquistou um dos bronzes na categoria meio-leve (52kg). Foi a primeira medalha no País na competição, que é disputada em Baku, no Arzebaijão.

Este é o quinto pódio consecutivo de Érika em mundiais individuais, com uma prata e quatro bronzes. Com isso, Érika iguala-se à Mayra Aguiar em número de medalhas e as duas são as maiores medalhistas brasileiras em Mundiais de Judô.  Já Jéssica Pereira terminou em quinto lugar em seu primeiro Mundial.  

Em Baku, seu 9º Mundial, Érika Miranda abriu o dia vencendo Katri Kakko, da Finlândia, na primeira luta, por ippon (2 waza-ari). Em seguida, enfrentou a eslovena Petra Nareks. Em luta mais equilibrada, a brasileira levou a melhor, forçando três punições à adversária e, assim, garantindo-se nas quartas-de-final do Mundial. Na terceira luta, Érika manteve a consistência e venceu Charline Van Snick, da Bélgica, por ippon (dois waza-ari) para chegar à semifinal. 

O duelo contra a então campeã mundial, Ai Shishime, do Japão, foi o único revés de Érika na competição. Ela sofreu um waza-ari, regaiu forçando duas punições, mas não conseguiu pontuar e foi para a disputa do bronze, onde finalizou Jéssica Pereira por estrangulamento. 

Shishime terminou com a prata em final 100% japonesa contra a novata Uta Abe, que venceu por ippon. A francesa Amandine Buchard completou o pódio com o outro bronze.  

Novatos ficam com quinto lugar

Antes de encarar Érika Miranda na disputa pelo bronze, Jéssica Pereira, abriu sua primeira participação em Mundiais adultos com vitória por ippon ao imobilizar a vietnamita Thuy Nguyen. 

Nas oitavas, ela enfrentou a australiana Tinka Easton e logo abriu um waza-ari de vantagem. Nos segundo finais, Easton empatou o duelo e a decisão ficou para o golden score, onde Jéssica conseguiu a finalização fazendo a adversária bater para desistir do combate. 

Nas quartas, a japonesa Uta Abe imobilizou Jéssica até o ippon e a brasileira foi para a repescagem, onde derrotou a israelense Gefen Primo por waza-ari e classificou-se para a disputa de bronze.  

Entre os homens, o atual campeão mundial júnior do meio-leve (66kg), Daniel Cargnin, bateu o bósnio Petar Zadro em sua primeira luta em Baku. O brasileiro abriu um waza-ari de vantagem, mas cedeu o empate. No golden score, ele conseguiu uma projeção perfeita para vencer por ippon e avançar à segunda rodada.  

Nessa fase, Cargnin encarou Nijat Shikhalizada e a torcida azeri. O brasileiro começou perdendo por um waza-ari, mas reagiu e empatou a luta no tempo normal. No golden score, Daniel se impôs e projetou Shikhalizada mais uma vez para silenciar a National Gymnastics Arena, em Baku, avançando às oitavas-de-final. 

Contra Pavel Petrikov, Daniel foi mais rápido e venceu o tcheco por ippon (dois waza-ari) em menos de um minuto para se garantir nas quartas-de-final. 

Daniel foi para cima do atual líder do ranking mundial, o israelense Tal Flicker, e fez o seu terceiro golden score na competição. Depois de seis minutos de batalha no tempo extra e com duas punições para cada lado, Flicker conseguiu pontuar com um waza-ari para se classificar à semifinal do Mundial. E Daniel foi para a repescagem. 

O brasileiro recuperou-se da derrota nas quartas e superou o mongol Kherlen Ganbold por um waza-ari. Mas, na disputa pelo bronze, Daniel foi superado pelo atual vice-campeão olímpico Baul An, da Coreia do Sul, que pontuou com um waza-ari. 

O título do meio-leve masculino ficou com o japonês Hifume Abe, que se conquistou o bi mundial ao lado de sua irmã, Uta Abe. A prata foi para Yerlan Serikhzanov, do Cazaquistão, e o outro bronze foi para Georgi Zantaraia, da Ucrânia. 

Charles Chibana também lutou nesta sexta (21), mas parou na segunda rodada. Ele venceu o espanhol Alberto Gaitero em luta equilibrada que foi decidida na diferença de punições e no golden score. Em sua segunda luta, porém, Chibana foi superado pelo alemão Sebastian Seidl, que conseguiu pontuar com um waza-ari e administrou a vantagem até o final da luta. 

"O adversário ficou esperando para contragolpear e foi o que aconteceu. Houve uma chance para eu poder jogar, tentei aproveitar, só que ele já estava esperando. Tentei ir para cima, jogar, meu estilo é esse. Mas, acabei errando", explicou Chibana ao sair do tatame. "Esporte é isso. Um dia ganhamos, no outro vencemos. Quem está no tatame está propenso a isso. O que a gente aprende no judô é levantar e prosseguir. É o que vou fazer", concluiu.

Rafaela Silva estreia contra canadense

As disputas do Campeonato Mundial continuam neste sábado (22), e a única representante do Brasil neste dia será a campeã olímpica Rafaela Silva. Ela estreia em Baku contra a canadense Jessica Klimkait. 

Veja Mais