Cancelamento de shows da Arena Peruíbe, em dezembro, causa transtorno a consumidores

Eles reclamam de "sumiço" da empresa organizadora, sem ter devolvido dinheiro dos ingressos

06/03/2018 - 10:19 - Atualizado em 06/03/2018 - 10:19

Ingresso adquirido exibe data original do show: 29 de dezembro de 2017 (Foto: Arquivo pessoal)

Quando Maria Zuleide Tavares da Silva, de 46 anos, comprou o seu ingresso para assistir ao show Cabaré, marcado para o dia 29 de dezembro de 2017, na Arena Peruíbe, com o cantor Leonardo e outros convidados, sua expectativa era de encerrar o ano da melhor maneira possível. Mal sabia ela que a realidade seria bem diferente.

Primeiro, um adiamento anunciado de véspera pela organizadora do evento, por meio de nota no Facebook, remarcando a apresentação para o dia 20 de janeiro. Cinco dias antes, porém, mais um baque: o cancelamento do show, em um novo comunicado.

Foi quando Maria Zuleide começou uma verdadeira saga em busca da devolução de seu dinheiro. Ao procurar o ponto de venda onde comprou o ingresso, uma ótica, ela recebeu um papel que a orientava a enviar uma série de informações para um e-mail da Ingresso Rápido, a empresa comercializadora dos convites do show. Segundo o documento, os estornos seriam realizados em até 15 dias úteis a contar do envio dos dados - prazo há muito tempo ultrapassado. Além disso, nem mesmo o e-mail enviado recebeu um retorno, a não ser a resposta automática da empresa, que nada esclarecia ou informava.

Para piorar, a própria empresa abriu mão de qualquer responsabilidade pela devolução dos valores, em comunicado divulgado em seu site no último sábado (3). Nele, a Ingresso Rápido cita artigos do Código de Defesa do Consumidor e do Código Civil para defender que "o produtor é o único responsável pelo reembolso dos valores dos ingressos em caso de cancelamento do evento, uma vez que ele se encontra na posse desses valores". 

Por fim, a nota ainda cita o nome da empresa que, segundo ela, é a responsável pelo evento cancelado: a The Mind, fundada em 2014, segundo a Receita Federal, e sediada em São Bernardo do Campo. No entanto, nenhum dos telefones indicados pela Ingresso Rápido como sendo de contato da organizadora atende, e até mesmo a página do evento no Facebook foi excluída, deixando todos sem informação ou suporte - inclusive Maria Zuleide.

Na tarde desta segunda-feira (5), ela e sua filha Fernanda procuraram a Fundação Procon de Itanhaém, onde moram, em busca de respostas. Lá, receberam a informação de que deveriam ter recebido a devolução dos valores no próprio ponto de venda, e na mesma modalidade do pagamento, em dinheiro - mas isso não aconteceu. Agora, deverão esperar mais 30 dias até que o Procon tenha uma resposta sobre o caso, já que a empresa organizadora parece ter desaparecido. 

Respostas

A Tribuna On-line procurou a empresa The Mind pelos contatos informados aos consumidores, sem sucesso. Já a Prefeitura de Peruíbe informou, por meio de sua assessoria, que apesar de a Arena Peruíbe ser um espaço público, pode ser utilizada por empresas privadas, contanto que toda a documentação obrigatória seja entregue de acordo, o que foi feito. Esclareceu, ainda, que não há penalidades financeiras quando ocorrem cancelamentos de eventos previstos para ocorrerem no espaço.

Veja Mais