Palmeiras bate o Boca em La Bombonera e vai às oitavas

O Alviverde é o primeiro time, entre todos os participantes, a assegurar uma vaga nos mata-matas

26/04/2018 - 00:03 - Atualizado em 26/04/2018 - 00:11

Lucas Lima comemora com Dudu o segundo gol do Palmeiras, que liquidou a fatura em La Bombonera
(Foto: Juan Marromata/AFP)

Quem chegou à Argentina sob protestos voltará para São Paulo como o primeiro time classificado para as oitavas de final da Copa Libertadores. O Palmeiras conseguiu a redenção nesta quarta-feira (25), ao vencer por 2 a 0, com total domínio, o temido Boca Juniors, em La Bombonera, e se garantir na próxima fase com duas rodadas de antecipação. É a primeira equipe, entre todos os participantes, a assegurar o seu lugar na fase de mata-mata. Com 10 pontos, o time abriu cinco do Boca, o segundo colocado. Junior Barranquila, com 3, e Alianza Lima, com 1, jogam nesta quinta na Colômbia. 

A melhor atuação do time no ano veio justamente no aniversário do técnico Roger Machado, encerra um período instável e entra para a história. Foi a primeira vitória palmeirense em La Bombonera pela Libertadores e a quinta de um time brasileiro no estádio pela competição (Santos, Cruzeiro, Fluminense e Paysandu foram os outros a conseguir o feito).

Depois de desembarcar em Buenos Aires recebido com algumas cobranças, a missão inicial era clara. Se não se acalmasse em campo, o Palmeiras sentiria a pressão do estádio lotado e se tornaria presa fácil. A equipe, no entanto, mostrou muita maturidade.

O Palmeiras conseguiu controlar a partida e não deixar o Boca criar. Os argentinos só levavam perigo quando o veloz Pavón partia para cima de Marcos Rocha. Uma falta acertou o travessão, inclusive. Fora isso, a equipe alviverde era tão segura que nem parecia alvo de reclamações da própria torcida.

A ferocidade de La Bombonera estava domada e aos 39 minutos o time acabou premiado. Marcos Rocha cruzou e Keno, de cabeça, tirou do goleiro Rossi para fazer 1 a 0. Foi a senha para a equipe argentina querer se impor, de um jeito ou de outro.

Os jogadores do Boca começaram a ficar irritados e causar discussões em campo. A equipe recebeu dois cartões amarelo logo depois e quase chegou ao empate. O bom primeiro tempo deu segurança para o Palmeiras tentar repetir a atuação na etapa final. Como se diz no futebol atual, era preciso "saber sofrer". Porém, o time foi além disso, ao ter uma atuação exemplar, digna de virar modelo para o resto da Libertadores.

O contra-ataque bem armado, os toques pacientes e a defesa segura (Jailson foi bem de novo) eram os pilares da concretização do resultado. Eis que o goleiro do Boca ajudou. Rossi saiu mal após lançamento longo e deu chance para Lucas Lima tocar por cobertura, aos 21 minutos do segundo tempo. Jogo resolvido.

A partir disso, o Palmeiras tocou a bola com ainda mais autoridade. Antes do jogo terminar, a torcida argentina já deixava o estádio, enquanto os 2 mil alviverdes, espremidos no canto superior da antes temida La Bombonera, vibravam com o feito do time.

Ficha técnica

Boca Juniors 0 - Rossi; Jara, Vergini, Magallán e Mas; Nandez, Pablo Pérez e Sebastian Pérez (Reynoso); Tevez (Bou), Pavón e Abila. Técnico: Guillermo Schelotto.

Palmeiras 2 - Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Edu Dracena e Diogo Barbosa; Felipe Melo, Bruno Henrique e Lucas Lima (Moisés); Dudu, Borja (Willian) e Keno (Hyoran). Técnico: Roger Machado

Gols - Keno, aos 39 minutos do primeiro tempo. Lucas Lima, aos 21 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos - Magallán, Ábila, Keno, Marcos Rocha, Pablo Pérez, Nández, Hyoran.

Árbitro - Roberto Tobar (Fifa/Chile).

Renda e público - Não disponíveis.

Local - Estádio La Bombonera, em Buenos Aires (Argentina).


Veja Mais