Tem contas em atraso? Especialista dá dicas para colocar as finanças em dia

Mudar hábitos de consumo é o primeiro passo para evitar problemas financeiros

03/03/2018 - 09:40 - Atualizado em 03/03/2018 - 13:38

Empréstimo bancário é opção para colocar as contas atrasadas em dia (Foto: Shutterstock)

Quando o salário já não dá mais conta dos boletos que não param de chegar, é hora de se organizar para colocar as finanças em dia. Mas, entre tantas contas atrasadas, quais dívidas quitar primeiro? Fazer um empréstimo bancário, ou seja, uma nova dívida, para pagar as contas vencidas é o ideal?

O estudo Devedores do Brasil, realizado pelo Instituto Geoc com 600 brasileiros em 2017, aponta que 41% dos entrevistados dão prioridade ao pagamento das dívidas relacionadas a serviço (água, luz e telefone). Na sequência, aparecem os segmentos aluguel e prestação da casa própria (21%), cartão de crédito (20%), empréstimo no banco (7%), cheque especial (4%), mensalidade de escola ou universidade (4%) e prestação do carro (3%).

O planejador financeiro e autor do blog Visão Econômica, Ricardo Hammoud, afirma que todas as contas são importantes e devem ser quitadas, mas que a prioridade deve ser resolver a situação como um todo, tendo ciência do momento em que se encontra, evitando assim gastos desnecessários e evitando usar um dinheiro que não tem.

"A pessoa deve pagar, claro, os gastos de serviços básicos como água e luz, senão pode acabar ficando sem o serviço, mas os juros dessas contas não são altos. Quando há muitas pendências em atraso, ela precisa entender que já está num processo de endividamento e que não pode gastar como tem gastado. É preciso aprender com o erro e reduzir o padrão de consumo, os gastos com supérfluos e, por alguns meses, economizar para evitar que o buraco fique ainda maior".

Para isso, uma dica é cortar os mecanismos que podem ajudar a aumentar a dívida, como cartões de crédito e cheque especial. "Muitos têm a falsa esperança de que esse dinheiro pertence a eles, mas o cheque especial é como se fosse um empréstimo já aprovado, com juros altíssimos. O mesmo vale para o limite do cartão. Não adianta gastar todo o limite se não tem o dinheiro para pagar a conta no final do mês", destaca. 

Negociação

Negociar a dívida com o banco ou empresa pode ser uma opção para se ver livre das pendências financeiras. Mas, se o acordo não parecer vantajoso ou não couber no orçamento do devedor, a melhor opção é recorrer a um empréstimo bancário.

"O problema é que as empresas e o próprio banco só têm tendência a negociar quando a pessoa para de pagar, e aí a dívida, muitas vezes, já está muito alta. Não tem milagre. Se as contas não batem e a pessoa percebe que terá dificuldade para pagar, a melhor opção pode ser fazer um empréstimo".

Por mais que pareça estranho quitar uma dívida com outra dívida, Hammoud explica que essa é a opção ideal por conta dos juros mais baixos. "As taxas nessa modalidade podem ser mais atrativas. O ideal é pesquisar em várias instituições bancárias e ver qual tem o menor valor", dá a dica.

Para os consumidores que têm dificuldade de organizar as finanças, preencher uma planilha de gastos e recorrer a aplicativos para celular que prometem uma maior organização podem ajudar. Contratar um planejador financeiro também é uma alternativa.

"A instabilidade financeira pode afetar outras áreas da vida, provocando problemas familiares e de saúde. Colocar as contas em ordem só traz benefícios, inclusive a longo prazo. Quem tem um histórico de bom pagador consegue juros mais baixos em financiamentos de carros ou imóveis, por exemplo". 

Veja Mais