Aplique no Tesouro com apenas R$ 30

Títulos públicos continuam atraentes mesmo com queda da Selic

11/01/2018 - 21:28 - Atualizado em 12/01/2018 - 15:58

A queda da taxa Selic e da inflação tornou muitos investimentos conservadores menos atraentes, mas o Tesouro Direto continua interessante para quem não gosta de correr riscos. Porém, os títulos públicos mantiveram uma vantagem que deve ser levada em conta – a possibilidade de aplicar nos papéis com apenas R$ 30,00 a um custo quase zero. 

A maioria dos produtos do Tesouro Direto tem valor acima de R$ 1 mil a unidade, mas o investidor pode comprar frações – por exemplo, de 0,03 título, pagando os R$ 30,00. 

O assessor da Fatorial Investimentos, Jansen da Costa, diz que o Tesouro Direto é uma opção conservadora. “Independentemente do cenário, o título mais conservador é o Tesouro Selic (o papel é corrigido pela taxa Selic). Mas, para se proteger contra inflação, (o ideal) é o Tesouro IPCA (corrigido por esse índice de inflação mais uma taxa de juros)”.

Entretanto, se o investidor quer sacar a aplicação no curto prazo, em um ano, o melhor será sair do Tesouro Direto e procurar um produto que não pague Imposto de Renda – as letras de crédito imobiliário (LCI) ou agrícola (LCA).

Em caso de longo prazo, mesmo com Imposto de Renda, é lucrativo comprar títulos para vencimento em 2024 ou 2035 (é possível resgatar antes – leia o quadro “Resgate”). No caso de 2035, o título Tesouro IPCA paga 5,48% ao ano mais o índice de inflação (2,8% ao ano). A caderneta remunera por volta de um total de 6% ao ano. 

Aos poucos, poupador iniciante aprende a conviver com os vários títulos à venda (Foto: Luigi Bongiovanni/AT)

Descubra o Tesouro

Poupar no Tesouro Direto pod>e parecer difícil, mas a aplicação pela internet é prática e em pouco tempo se familiariza com os nomes dos títulos. Antes será preciso se cadastrar em uma corretora habilitada pelo Tesouro (confira no endereço reduzido encurtador.com.br/iluK8). A corretora será apenas uma intermediária – vai fazer a transação dos títulos e recolher impostos, mas os papéis ficarão protegidos na BM&FBovespa. Você terá uma senha para investir por conta própria. 

Há uma variedade de títulos conforme sua meta de rendimento (se de curto, médio ou longo prazo) e disposição ao risco. Os papéis são corrigidos pelo IPCA, IGP-M e Selic mais juros. Há ainda os prefixados (você sabe quando renderá no vencimento). Para saber mais, acesse www.tesouro.fazenda.gov.br

Resgate 

Alguns títulos públicos vencem em 2035 e até 2045, mas é permitido resgatar a qualquer hora. Se a taxa da hora do resgate for maior do que o contratado para o vencimento, o investidor receberá um retorno menor do que obteria na data final. Se for o inverso – a taxa da hora do resgate é menor do que a do vencimento – o investidor terá um rendimento superior. Lembre-se que a taxa sempre será somada ao indexador, como o IPCA.

Veja Mais