Coreografias viram mania pra quem quer queimar calorias se divertindo

Revezar aparelhos na academia é coisa do passado. Moda é chacoalhar o esqueleto e apostar na força

10/08/2018 - 17:27 - Atualizado em 10/08/2018 - 17:43

Seja nas academias ou nas redes sociais, malhar dançando virou incentivo pra galera (Foto: AdobeStock)

As desculpas para ficar fora de forma estão acabando. A cada dia que passa, uma infinidade de novas modalidades surgem nas academias pra fazer com a galera malhe com vontade e de uma forma mais animada. E vale de tudo pra queimar calorias, desde dançar até apostar em treinos de mais intensidade.

Com certeza você já ouviu falar em zumba, não é? A ginástica inspirada em dança latina foi criada na Colômbia na década de 1990, mas ganhou força no Brasil há dois anos, quando desembarcou em peso no País. A crescente da modalidade ocorreu devido ao estilo diferente de se exercitar, com danças e bastante agito, e não mais levantando peso.

Luã dá aulas de zumba, shiban, fit dance e body balance (Foto: Caíque Stiva/AT)

Depois da pioneira, novas ginásticas desse estilo dançante começaram a pipocar pelas academias e também nas redes sociais. No YouTube, por exemplos, há inúmeros canais focados só mostrar coreografias.

Segundo o instrutor Luã de Aguiar Souza, de 26 anos, que dá aulas de zumba, shiban, body balance e fit dance, o sucesso se dá pela praticidade dos exercícios. "O interesse tem aumentado porque as danças são fáceis, qualquer pessoa pode participar. As modalidades de ginástica e dança não exigem material e são tranquilas de serem executadas".

O mais recente dos sucessos é o Fit Dance, grupo baiano que ganhou bastante força este ano e tem mais de 8 milhões de inscritos no canal. Para Luã, as pessoas estão migrando em peso para a dança porque ela trabalha com músicas atuais e nacionais, o que agrada o público geral.

Do outro lado do suor

Falar de quem aplica as aulas é fácil. Então, o jeito é ver se quem pratica essas atividades realmente acha fácil assim. 

O empreendedor Rafael Pimenta, de 19 anos, é adepto de zumba, musculação, natação e crossfit. Apesar da mescla entre o antigo e o novo, Rafael admite que, apesar da paixão pelas piscinas, prefere o agito das coreografias.

"Gosto mais do zumba pelo fato de ter uma música alta e com energia. Além disso, outra coisa que também me motiva é a presença das pessoas que fazem parte da aula e estão sempre em sintonia".

Rafael Pimenta é adepto de diversas modalidades (Foto: Caíque Stiva/AT)

Crossfit

Deixando de lado a parte dançante e festiva de se exercitar, pulamos para o nicho de ginástica que também vem em uma crescente no cenário nacional, mas que tem um nível de dificuldade mais elevado: o crossfit.

Formado em Educação Física e ex-atleta de alto rendimento, Luã sabe bem que não é nem um pouco fácil sair do zero e se tornar um 'crossfiteiro'.

"É um estilo de treinamento que necessita de equipamento e técnica para que não haja lesão, mas os bons resultados no corpo refletem a alta procura pela modalidade".

Mas engana-se quem pensa que crossfit não é para todos. Ainda de acordo com Luã, há um equívoco comum em tratar o exercício como um "monstro de sete cabeças", já que, se for ministrado por um bom professor, o crossfit pode ser feito até mesmo por crianças.

País do futebol

Mesmo com o crescimento de formas alternativas de exercício, Rafael Pimenta ainda acredita que os números possam melhorar. Para ele, a falta de incentivo em esportes menos populares é um problemão no Brasil.

"Infelizmente, vivemos no 'país do futebol'. A mídia até tenta dar mais visibilidade a outros esportes, mas creio que faltam incentivos e até mesmo locais seguros para se praticar outras atividades físicas", argumenta.

Cuidado com a saúde

Vale sempre ressaltar que antes de se praticar exercícios físicos é necessário que seja feito um check-up médico para prevenir qualquer tipo de problema de saúde.

Com tudo ok, quem sabe você não manda bem na coreografia. Que tal essa?

 

Veja Mais