Sérgio Mamberti estreia Visitando Sr. Green em Santos

Teatro do Sesc recebe apresentações do espetáculo nesta sexta e sábado

20/04/2017 - 09:59 - Atualizado em 20/04/2017 - 10:52
Mamberti e Gelli apostam em humor inteligente em releitura de Jeff Baron (Foto: Divulgação)

Há 20 anos sem apresentar um espetáculo teatral em Santos, sua terra natal, Sérgio Mamberti volta à Cidade com uma montagem bastante oportuna para os dias atuais: Visitando Sr. Green, de Jeff Baron.

A peça fala da convivência e tolerância entre personagens de gerações e culturas diferentes: um idoso judeu (o senhor Green, vivido por Mamberti) e o jovem executivo Ross Gardner (Ricardo Gelli).

Dirigido por Cássio Scapin, o espetáculo será apresentado nesta sexta-feira e sábado, às 20 horas, no Teatro do Sesc Santos. 

Vale destacar que, no sábado, Mamberti comemora 78 anos de vida. “Estou muito feliz de coincidir de eu estar em Santos no dia do meu aniversário. O último espetáculo com o qual estive aí foi Pérola, de 1997”, lembra.

Visitando Sr. Green fala da amizade que nasce entre dois estranhos, após um acidente: Gardner atropela Green, sem querer, e é condenado a prestar serviços comunitários junto ao idoso, uma vez por semana, durante seis meses. 

O idoso é viúvo, vive sozinho, num apartamento em Nova Iorque, e não preza pela organização e limpeza. “A peça mostra alguns aspectos da cultura judaica, os quais eu conheço muito bem porque me casei com uma judia, mas fala a todos nós. Inicialmente, o público fica entretido com aquele velho ranzinza e, aos poucos, percebe como ele é preconceituoso. A mulher dele era a do tipo que fazia tudo, tanto que, sem ela, seu apartamento vira uma bagunça”.

A montagem com Mamberti e Gelli estreou em abril de 2015, em São Paulo, e marcou sua volta ao teatro, após 12 anos de ausência – tempo em que desenvolveu atividades para o Ministério da Cultura (MinC), durante as gestões de Gilberto Gil e Juca Ferreira.

A rotina mais sedentária impôs seu ônus: Mamberti engordou bastante e desenvolveu problemas na coluna, o que o levou a parar a turnê de Visitando Sr. Green. A pausa foi longa: de abril a julho do ano passado. 

Mamberti retomou a turnê este ano, 30 quilos mais magro e com uma rotina de exercícios que inclui fisioterapia. “Eu me sinto muito melhor. Estamos viajando novamente, e já estivemos em Brasília e Goiânia, e vamos fazer uma série de cidades menores pelo estado de São Paulo”, adianta.

Homenagem a Paulo Autran
Visitando Sr. Green não é uma peça inédita no Brasil. Ela foi encenada por um grande nome do teatro, do cinema e da teledramaturgia brasileiros: Paulo Autran (1922-2007), que fez o personagem-título por cinco anos (2000 a 2005), com Cássio Scapin no papel de Ross Gardner, e direção de Elias Andreato.

“É uma ousadia minha fazer um personagem tão bem-sucedido com o Paulo, mas faço esse trabalho como uma homenagem a ele, que foi o mestre de todos nós”, considera o ator, que compara sua atuação com a de Autran: “Paulo era um ator mais cerebral, e transmitiu essa inteligência ao personagem. O Sr. Green dele era mais existencialista. Eu sou um ator emocional e minha abordagem é mais social. Foco nos preconceitos do personagem”.

Para conseguir remontar a peça, Mamberti adquiriu os direitos do texto diretamente com o autor, Jeff Baron, em Nova Iorque. Inclusive, Baron veio ao Brasil assistir aos ensaios finais e à estreia de Visitando Sr. Green, na Capital. 

A escolha de Cássio Scapin para a montagem partiu de Mamberti, como forma de celebrar a parceria deles na série da TV Cultura, Castelo Rá-Tim-Bum (1994 a 1997) – na qual Cássio fazia o tricentenário Nino, e Mamberti, o Dr. Victor.

Scapin conhecia bem a peça, pois ele contracenou com Autran, na primeira montagem, como Ross Gardner.

A escolha de Ricardo Gelli para fazer Gardner também partiu de Mamberti, depois de assistir ao ator no espetáculo Genet, o Poeta Ladrão, no qual viveu o dramaturgo, poeta e ativista francês Jean Genet (1910-1986), autor de As Criadas e O Balcão.

“Fiquei tão impressionado com o trabalho dele. Pedi ao Carlos (Mamberti, seu filho) que consultasse o Gelli sobre a possibilidade de atuar comigo. Fizemos uma leitura com ele e ali se estabeleceu uma relação muito profunda”.

Biografia
Mamberti adianta que está preparando sua biografia para 2019. Entre os autores que convidou para escrever estão Ricardo Rieche (do livro Yara Amaral – A Operária do Teatro), e Luiz Campos, de Santos.

Serviço: Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida, santos, tel. 3278-9800. Ingressos de R$ 6,00 a R$ 20,00.

Veja Mais