Santista Quincas Moreira conquista o México

Sobrinho de Maria Valéria Rezende, o músico faturou o Prêmio Fênix de Cinema Ibero-Americano

12/12/2017 - 10:11 - Atualizado em 12/12/2017 - 10:16

Multi-instrumentista, Quincas toca guitarra, baixo, bateria, piano, cello e outros (Foto: divulgação)

O talento está no DNA da família. Sobrinho da escritora multi-premiada Maria Valéria Rezende, o músico santista Joaquim Pedro Rezende Martins Moreira, o Quincas Moreira, faturou o troféu Prêmio Fênix de Cinema Ibero-americano na categoria Música Original, com a trilha do documentário "La Libertad del Diablo", do mexicano Everardo González.

Na cerimônia realizada na Cidade do México, a produção ainda levou os prêmios de Melhor Documentário e Fotografia. Esta é a segunda parceria entre Moreira e González. Em sua estreia como autor de trilhas sonoras, o santista gravou a canção do filme "El Paso".

“Antes eu já havia contribuído com partes de trilhas, não como único compositor, mas como parte de equipe. 'O Redentor', de Claudio Torres, por exemplo, tem coisa minha. A trilha foi feita na YB, onde trabalhava na época”, comenta.

Aos 42 anos, no entanto, Moreira possui uma vasta experiência na área de audiovisual. São quase 20 anos de trabalhos ininterruptos. Antes do cinema, o santista estava mais concentrado nas funções de produtor de áudio e músicas para publicidade.

Nesse período, ele coproduziu os dois discos do rapper Sabotage e fez turnê como baixista do Trio Mocotó e Andrea Marquee, além de ter tocado com Curumin, Thaide e Nouvelle. Ainda teve tempo para liderar a banda Quinquilharia Samba Punk, em São Paulo.

“Tenho alguns discos independentes, lançamentos sem gravadora nem nada, somente no bandcamp (site de streaming para artistas independentes). Hoje componho muito para a biblioteca sonora do YouTube e continuo desenvolvendo meu trabalho autoral, mais experimental”.

Trajetória

Moreira é filho de um publicitário (Marcio Moreira) com uma atriz (Valentina Rezende). Seu primeiro professor na área musical foi Jaime Augusto, que lhe ensinou a tocar piano. “Ele tocava à noite no extinto Bar da Praia, e de dia eu estudava no piano do bar. Eu não tinha piano em casa. Eduardo Caldeira, o dono, me apoiou muito. Eu tinha entre 13 e 15 anos”.

Seus primeiros projetos foram no rock. Ensaiava durante o dia no recém-fechado Torto e depois tocava com algumas bandas de rock. “Ganhamos o segundo lugar no Fico, com uma música minha. A banda se chamava Tribu, mas foi só pra tocar no Fico mesmo. Tinha o Enrico da Container e o Edu (Falaschi), que foi do Angra. Era engraçado porque minha música era um funk e o Edu cantava igual o cara do Iron Maiden”, comenta ele sobre a participação no festival promovido pelo Colégio Objetivo, em 1989.

Após o festival, Edu e os amigos montaram o Mitrium. Moreira foi morar nos Estados Unidos. Ficou oito anos por lá e voltou formado em Improvisação Contemporânea pelo New England Conservatory.

Com muita influência de jazz e MPB, o músico retornou a Santos, casado com uma gringa (Holly), com quem manteve o matrimônio até 2003, e com um filho recém-nascido (Lucas). Contratado pela YB, em São Paulo, ele seguiu na empresa até 2007.

Assista ao trailer de "La Libertad del Diablo":

Abriu a própria produtora em 2010, a Quinquilharia Áudio e uma paixão o levou a morar no México, em 2011. Já divorciado de Holly, o santista conheceu Alexiz, que está grávida de sua segunda filha. Nina, a primeira, está com 3 anos.

Veja Mais