Filme retrata a trágica aventura de Gabriel Buchmann

Economista carioca morreu de hipotermia, em 2009, após subir o Monte Mulanje, pico mais alto do Maláui

02/11/2017 - 09:59 - Atualizado em 02/11/2017 - 10:20

Cena do longa de ficção, baseado na história de Gabriel Buchmann (Foto: Divulgação)

O premiado longa-metragem "Gabriel e a Montanha" entra hoje em 82 salas de cinema de 35 cidades brasileiras (incluindo Santos). O filme recria a viagem do economista Gabriel Buchmann pela África, aventura que terminou com a morte do carioca em uma montanha no Maláui. A coprodução entre Brasil e França foi rodada em quatro países do continente africano: Quênia, Tanzânia, Zambia e Maláui.

Em maio, "Gabriel e a Montanha" recebeu dois prêmios no Festival de Cannes. Na prestigiada Semana da Crítica do evento, foi honrada com um prêmio de revelação, entregue ao diretor Fellipe Barbosa, e um de distribuição, que ajudou a alavancar a estreia, em agosto, na França.

“Naquele país, a crítica foi incrível, a partir de Cannes. Após sete semanas em cartaz, passamos dos 80 mil espectadores, o que é lindo para um filme brasileiro desse tamanho. Creio que o filme chega com força suficiente para passar a França no Brasil”, afirma Barbosa.

O verdadeiro Gabriel Buchmann com uma família na África (Foto: Acervo Pessoal)

Gabriel Buchmann viajou para a África com o objetivo de analisar de perto a pobreza e se preparar para um doutorado em políticas públicas na Universidade da Califórnia (EUA). O carioca morreu de hipotermia, em 2009, após decidir subir o Monte Mulanje, pico mais alto do Maláui, com mais de 3 mil metros de altitude, sem a companhia de um guia. Seu corpo foi encontrado 19 dias depois na subida da montanha. O longa tem roteiro baseado em anotações, e-mails de Gabriel para a mãe e a namorada e entrevistas com pessoas que cruzaram seu caminho na África.

Ao longo da viagem, ele aventura-se por outras subidas difíceis, como o Kilimanjaro, ponto mais alto do continente africano. Ele também recebe a visita de sua namorada, Cris (Caroline Abras), que estava na África do Sul participando de um seminário sobre Economia.

A imprensa francesa foi bastante elogiosa. O tradicional Le Monde entendeu que “o grande mérito de Fellipe Barbosa é de saber aliar a compreensão intelectual ao gesto de compaixão por seu amigo falecido que o filme encarna”.

A revista Positif avaliou que o longa-metragem “se distingue pela inteligência do seu roteiro”, enquanto o L’Express reforçou que “Barbosa reconstitui magistralmente uma viagem emocionante rumo à morte”. Trata-se de “uma homenagem perturbadora e sincera ao amigo desaparecido”, nas palavras do Cahiers du Cinéma. 

Já a revista Les Inrockuptibles escreveu que “a imagem do jovem homem cujo corpo se confunde pouco a pouco com a natureza é de uma incrível poesia”.

Com direção e roteiro de Fellipe Barbosa (neste, em parceria com Lucas Paraizo), o filme retrata os momentos de Gabriel. Antes de entrar para uma Universidade americana de prestígio, ele decide viajar o mundo por um ano, carregado de sonhos. Depois de dez meses na estrada, ele chega ao Quênia determinado a descobrir o continente africano. Até chegar ao topo do Monte Mulanje, seu último destino.

O carioca Fellipe Gamarano Barbosa, diretor, roteirista e montador com mestrado em direção pela Columbia University, dirigiu curtas selecionados para festivais como Sundance, Clermont-Ferrand e New York Film Festival, dentre eles o premiado "Beijo de Sal".

Realizou o documentário "Laura", vencedor do Festival de Hamptons e do DocTv América Latina. Seu primeiro longa de ficção, "Casa Grande", participou dos laboratórios de Sundance e estreou na competição oficial de Roterdã em 2014. Foi selecionado para mais de 40 festivais internacionais, incluindo San Sebastián, Londres, Cairo e Havana, e ganhou 12 prêmios, como os do público e crítica internacional em Toulouse, o prêmio do público no Festival do Rio, o da crítica na Mostra de SP, e o APCA de melhor roteiro.

 

Gabriel e a Montanha é seu segundo longa de ficção, e no elenco estão João Pedro Zap-pa e Caroline Abras.

Em cartaz no Cinespaço Santos.

Veja Mais