Filarmônica Jovem da Baixada Santista realiza dois concertos

Fundada há um ano, orquestra é formada por músicos amadores e semi-profissionais

13/06/2018 - 09:58 - Atualizado em 13/06/2018 - 10:18


O conjunto ensaia no salão da Igreja Batista Central da Adoração, no Canal 2 (Foto: AT)

Você sabia que a Baixada Santista tem uma filarmônica? Pois existe e vai realizar dois concertos, inaugurando sua Temporada 2018, nesta quinta (14) e sexta-feira (15), em Santos. Fundada há um ano, a Filarmônica Jovem da Baixada Santista é fruto do sonho do pianista e estudante de regência Ásafe Soler, de 21 anos de idade. 

“Existia uma lacuna enorme entre a inicialização musical e a profissionalização de novos instrumentistas em Santos. Jovens que passam por projetos como GPA (Grupo Pão de Açúcar) e Guri não tinham onde tocar depois de formados. Agora, podem ser absorvidos pela Filarmônica”, justifica Soler, que estuda Regência na faculdade de Música da Universidade de São Paulo (USP).

Formada por mais de 30 músicos, com faixa etária entre 16 e 28 anos, a filarmônica se apresenta amanhã, às 20 horas, na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB Santos), e na sexta-feira, no mesmo horário, no Teatro Coliseu. 

Os concertos são gratuitos, com ingressos distribuídos uma hora antes, nos locais de apresentação. A AABB Santos fica na Av. Ana Costa, 442, Gonzaga, telefone 3289-4334. O Coliseu, na Rua Amador Bueno, 237. Centro Histórico.

Erudito e popular

Dividido em dois momentos, o repertório começa com composições eruditas europeias e termina com obras de compositores brasileiros. “Uma das propostas que eu tenho com a Filarmônica é honrar e trazer esperança ao Brasil. Se tem um compositor brasileiro que eu possa fazer, seja erudito ou popular, eu quero fazer”, avisa o jovem maestro.

A primeira parte do programa tem "Allegretto" (Congratulations-Menuett), de Beethoven; "Intermezzo" e "Barcarolle", da ópera "Les Contes d’Hoffman", de Offenbach, Pavane e Fauré; "Rhosymedre", de Williams; e "Concertino para flauta e orquestra Op. 107", de Chaminade. A segunda parte apresenta "Choros n.1", de Villa-Lobos (obra adaptada para orquestra por Adail Fernandes, da Osusp); "Scherzando", do amigo e também estudante de Música na USP Adriel Vercosa; "Tico-Tico no Fubá (Fantasia para flautim, flauta e orquestra"), na versão de Adriel Verçosa, para flautim, flauta e orquestra; e "Batuque", de Oscar L. Fernandez, adaptado para orquestra por Adail Fernandes. 

O regente Ásafe Soler tem 21 anos e estuda 
regência na USP (Foto: AT)

“Esse repertório é escolhido por mim, com sugestões de outras pessoas. Além de profissionalizar e preparar jovens músicos para atuarem nas grandes orquestras, o objetivo da Filarmônica é formar público. Por isso a proposta de repertório mais popular”, explica Soler.

O projeto também pretende, por meio de apresentações e concertos didáticos, promover o interesse e o acesso à arte e à cultura em cidades da região.

A Filarmônica é formada por músicos de Santos, Guarujá, Praia Grande e São Vicente, e pelas mesmas famílias de uma sinfônica (cordas, madeiras, metais e percussão). A diferença é ser formada por músicos amadores e semi-profissionais. O conjunto ensaia uma vez por semana, no salão da Igreja Batista Central de Adoração, no Canal 2, e busca patrocínio. Saiba mais: www.facebook.com/filarmonicajovembs.

Sobre o regente

Nascido em Santos, Ásafe Soler começou os estudos musicais aos 11 anos, quando ingressou no curso de Piano Erudito do Conservatório Municipal de Cubatão. Atualmente, também é regente do Coral Ebenézer, da 1ª Igreja Presbiteriana de Santos e do Coral da AABB de Santos.

Veja Mais