Duas mulheres e um único objetivo: vencer na vida

Cláudia Canto conta a história da primeira coach afrodescendente, Raquell Menezes

14/08/2018 - 10:42 - Atualizado em 14/08/2018 - 11:27

Cláudia Canto e Raquell Menezes, durante lançamento
no Parque Balneário, em Santos (Foto: divulgação)

Duas mulheres negras, nascidas na periferia, com histórico de bullying e outros abusos, superaram suas origens e, hoje, inspiram as pessoas a serem melhores, a se amarem e prosperarem por meio do trabalho e da reprogramação mental.

A palestrante e digital influencer Raquell Menezes, 43 anos, nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro e se mudou para Santos aos 10 anos de idade. Hoje, vive entre a Baixada Santista e Portugal, onde mora na cidade do Porto. A jornalista Cláudia Canto, 41 anos, nasceu em uma comunidade de São Paulo e atualmente vive na Cidade Tiradentes, na Zona Leste. Elas são da mesma geração e se encontraram pessoalmente, há cerca de cinco meses. 

Cláudia já seguia Raquell no YouTube e, ao conhecer de perto sua história de vida, a identificação foi imediata e decidiu escrever o livro "Da Lama à Fama – a Biografia de Raquell Menezes". No último sábado, as duas lançaram a publicação em Santos, com palestra no Parque Balneário Hotel. 

Cláudia tem outros livros publicados e escreveu a biografia de Raquell em tempo recorde: três meses: “Foi imersão total. Percebi que aquela história deveria virar um livro e fiz a proposta para ela. Mais do que uma biografia, o livro é um convite à riqueza que há dentro da gente. Eu consegui fazer um paralelo com a espiritualidade. Eu me travesti de Raquell e entrei na alma dela. Tenho certeza de que este livro foi escrito a quatro mãos”, conta Cláudia. 

A jornalista tem um programa na internet chamado "Mergulho na Vida com Cláudia Canto", que convida pessoas que contribuem com a sociedade. Raquell, que tem mais de 6 milhões de visualizações em seu canal no Youtube, foi uma das convidadas e o bate-papo pode ser visto na internet. Assista abaixo:

Superando o bullying por meio da leitura
Cláudia destaca que sua história de vida encontra paralelos com a de Raquell Menezes. Daí seu encantamento por ela: “Consegui mudar a história da minha vida por meio da leitura. 

Com 13 anos, estava lendo os grandes clássicos, de Shakespeare a Dostoiévski. Consegui fugir do bullying por meio da leitura, porque os livros nos dão vocabulário erudito. Os meninos vinham me encher o saco e eu fazia reprimendas com palavras difíceis. Eles ficavam confusos. Muitas vezes nem eu sabia o que estava falando”, diverte-se Cláudia. 

A jornalista sempre insistiu em ser escritora e seu primeiro livro nasceu após viver uma experiência de regime domiciliar fechado, como empregada doméstica em Portugal. “Eu queria fazer uma viagem internacional para enriquecer meu currículo. Cheguei em Portugal com 25 anos e, ali, eu percebi que era mais uma imigrante ilegal e negra. A única opção que eu tinha era trabalhar como empregada doméstica praticamente em cárcere domiciliar. Fui para conhecer novas culturas e alicerçar meu currículo, mas, no fim, acabei cuidando de um velhinho de 97 anos e de uma velhinha de 87. Eu era a quinta empregada da casa e não saía dali. Voltei ao Brasil achando que eu ia me tornar a 'irmã' de Paulo Coelho, e caí numa outra estatística, a de escritora sem editora”, lembra. 

Capa do primeiro livro lançado por Cláudia Canto
(Foto: divulgação)

Após viver esse drama, lançou seu primeiro livro: "Morte às Vassouras". “Depois de seis livros publicados de forma independente, fui descoberta por uma inglesa e convidada a falar na Universidade de Oxford, isso há um ano e meio”, orgulha-se Cláudia. 

“Hoje, embasada no que a Raquell acredita e ensina, que são a física quântica e a reprogramação mental, percebo que temos muitas riquezas do nosso lado. Não preciso do vil metal para mudar as coisas ao meu redor”, destaca Cláudia, cujo livro mais recente se chama "Riqueza Ignorada – A Grande Descoberta", em que conta como conseguiu transformar sua vida por meio da economia criativa.

Atualmente, Cláudia ministra palestras em presídios, unidades da Fundação Casa e escolas da periferia. “Mostro como essa galerinha, na verdade, é rica e não sabe disso”, ensina. 

Para a jornalista, o encontro com Raquell Menezes potencializou ainda mais sua visão de mundo. “Esse nosso envolvimento foi crucial para as nossas vidas, em se tratando de mulheres negras. Foi um encontro importante para nossa autoestima e reconhecimento da nossa luta. Nós duas nos unimos por meio da superação”. E continua: “Raquell é uma das mulheres mais inspiradoras do nosso tempo, que mudou seu destino por meio dos estudos”, elogia Cláudia. 

Capa do livro "Da Lama à Fama"
(Foto: divulgação)

Segundo ela, a virada de vida de Raquell veio após agarrar a oportunidade de fazer uma viagem à Europa. Ela foi para a Alemanha, de onde voltou com a ideia de que deveria estudar em Londres. Acabou indo trabalhar como empregada num café na Irlanda do Norte, e, quatro meses depois, comprou esse café. 

"Sou a primeira coach afrobrasileira que trabalha com reprogramação mental e mantém um canal no YouTube sobre esse tema, que ajuda as pessoas a não só pensar positivo, mas despertar para o que elas têm dentro delas”, diz Raquell, que vive de dar palestras e consultorias, e cuja biografia pode ser adquirida pelo e-mail contato@raquellmtreinamentos.com, por R$ 40,00. 

Veja Mais