A arte imita a vida na comédia brasileira 'Os Farofeiros'

Quem nunca se meteu numa roubada nas viagens de férias? O longa de Roberto Santucci retrata isso

27/02/2018 - 10:19 - Atualizado em 27/02/2018 - 10:50

Elenco tem Danielle Winits (segunda à esq.) e Cacau Protásio (centro). Foto: Vanessa Rodrigues/AT

Atire a primeira pedra quem nunca vivenciou uma roubada nas férias. Errar o caminho, alugar um apartamento cheio de problemas, jantar em um restaurante horrível ou mesmo curtir uma festa de Réveillon pra lá de esquisita. Foi pensando nisso tudo que o diretor Roberto Santucci ("Até que a Sorte nos Separe" e "De Pernas Para o Ar") e o roteirista Paulo Cursino ("Divórcio" e "Fala Sério, Mãe!") produziram o longa "Os Farofeiros", que chega aos cinemas no próximo dia 8.

Na trama, quatro colegas de trabalho se programam para curtir o feriado prolongado em uma casa de praia e, chegando lá, descobrem que se meteram em uma tremenda roubada. Para começar, o destino não é Búzios, mas Maringuaba; a residência alugada é encontrada caindo aos pedaços, bem diferente do prometido; a praia está sempre cheia; e as confusões são inúmeras.

“Foi criado (roteiro) após uma reunião criativa. Pensamos em algo que tivesse um gancho. A ideia do filme é algo que você conta na mesa do bar”, explica Santucci. “Durante a conversa, pensamos que se fizéssemos algo de férias frustradas, não iríamos colocar algo com motor home, que não tem identificação com o Brasil. Congestionamento é algo bem mais comum. Temos isso na (Rodovia dos) Imigrantes também, nos feriados”.

Os dois, acompanhados de boa parte do elenco, conversaram com a imprensa após uma exibição exclusiva do filme, ontem, no Cinemark do Pátio Paulista, em São Paulo. E a mesma sintonia que os atores mostram em cena é comum fora dela também”.

Cursino explica que passou a considerar a possibilidade de fazer "Os Farofeiros" após uma cena bem-sucedida de outro filme que ele produziu com Santucci. “Em 'Até Que a Sorte Nos Separe 2', quando eles vão para um hotel vagabundo, em Las Vegas, as pessoas se identificam. Foi uma sequência muito feliz e divertida”.

O roteirista afirma que considera filmes com a temática férias frustradas quase como um subgênero da comédia. “O cinema brasileiro fala muito pouco das nossas farofadas. Por que o cinema brasileiro tem essa dificuldade de dialogar com o público? Mais do que qualquer influência de outro filme, como 'Eurotrip' ou 'Férias Frustradas', nós queríamos falar dessas experiências que o público vivencia”. 

Mesmo quem não gosta desse tipo de comédia vai se divertir com os improvisos dos atores. Maurício Manfrini (conhecido como Paulinho Gogó) e Cacau Protásio ("Vai Que Cola") formam um dos casais mais divertidos do longa. Os dois mostram em cena que improvisar é com eles mesmos. E alguns dos atores afirmaram que se identificaram com os personagens.

“Tínhamos muita liberdade para brincar, improvisamos muito. O Lima (personagem de Manfrini) é um cara irônico. O Paulinho Gogó já é muito caricato e fiquei com medo de ficar muito parecido, então fui tirando algumas coisas, mas a malandragem e malemolência do Gogó estão lá”, comenta o ator e humorista. 

Cacau, que faz o par romântico de Manfrini no filme, seguiu o mesmo tom. “Era uma bagunça organizada. Tinha um diretor, autor, mas conseguimos nos divertir. Em algumas cenas não conseguíamos gravar com facilidade, por conta das risadas. Sou farofeira, mas hoje sou mais organizada. Só me identifico em ser farofeira”, disse, arrancando gargalhadas do elenco e dos jornalistas. 



Escolha do elenco

Santucci, diretor do filme, acredita que a escolha do elenco foi um grande acerto. “O elenco é 50% do filme. Diferente dos outros longas, optamos por mesclar atores com muita vivência, como a Danielle Winits e o Charles Paraventi, com outros novatos, além de artistas experientes, mas sem tanta vivência no cinema, como a Cacau e o Manfrini. Os atores sofrem para fazer algo comum para eles, mas buscamos renovar, apostar, e eles foram muito felizes na hora de criar. Foram muito bem”.

Tal como outras séries de sucesso no cinema, como "De Pernas Para o Ar" e "Até que a Sorte nos Separe", que ganharam continuações nas telonas, Cursino afirma que é possível dar sequência na história dos "Farofeiros".

“Tínhamos um filme de oito horas. Temos muitos elementos para explorar, dá para fazer um 'Senhor dos Anéis das férias frustradas. Fiquei com vontade de ver a Renata (Danielle Winits) batendo mais na Jussara (Cacau Protásio) ou a Jussara batendo no Lima (Marcelo Manfrini). Vamos ver como vai ser a recepção do público. Até o momento a recepção tem sido calorosa”. 

Questionado como poderia ser essa sequência e qual lugar seria escolhido, Cursino seguiu o conselho do elenco, que pediu para não dar spoilers.

Sem estrelismo

Danielle e Aline, duas das artistas mais assediadas para fotos com o público, após a exibição do filme, demonstraram simplicidade o tempo todo. Ao comentar uma cena marcante do longa (não vou dar spoilers), a veterana afirmou que não usou dublê, como alguns jornalistas pensavam. “Tava bem frio e passei umas duas horas ali, mas me senti privilegiada. Tem uma questão de homenagem ao cinema, tem várias referências ali, além disso, eu podia comer, tinha algo comestível ali. O cinema tem isso, é memorável”. 

Já Aline, que interpreta Elen, a esposa de Diguinho (Nilton Bicudo), falou sobre o preconceito que sofre no dia a dia. “Fui bailarina do Faustão, as pessoas têm muito preconceito, não entendem que posso fazer outras coisas além de dançar”. Cacau completou a fala da amiga: “As pessoas têm preconceito porque você é linda, 'gostosa', tudo isso incomoda”.

Aline afirmou que boa parte do improviso feito em cena teve o apoio das amigas. “A Dani e a Cacau me ajudaram muito no improviso. Tudo que eu precisava, eu falava com elas. Se cinema é divertido como foi gravar esse filme, quero fazer mais”.

Veja Mais