Denúncia revela queima de currículos no PAT Cubatão

Funcionária é flagrada incinerando documentos; Prefeitura confirma “destruição”

11/01/2018 - 20:31 - Atualizado em 11/01/2018 - 21:01

Denúncias chocantes de incineração foram feitas anonimamente por um desempregado (Foto: Irandy Ribas/AT)

O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) em Cubatão está incinerando os currículos que recebeu em 2017 de trabalhadores desempregados, por considerar que esses documentos não têm mais utilidade para atender a pedidos de empreiteiras, indústrias e empresas. As denúncias chocantes de incineração desses documentos foram feitas anonimamente por um desempregado à TV Tribuna. 

Ele flagrou uma funcionária, contratada por uma empreiteira para ajudar a atender no PAT, queimando os currículos em uma ala externa do Centro de Valorização do Trabalhador (CVT), anexa ao posto. 

O desempregado protestou, considerando o procedimento um descaso, porque espera há meses uma vaga que nunca chega. Queixou-se dos custos da passagem que paga para ir ao posto com frequência, já que a Prefeitura não dispõe de informações nas redes sociais. E acusou a direção do PAT de só empregar quem tem indicações políticas.

Embora o procedimento possa contribuir para o desgaste da credibilidade do PAT – que desde 2016 não divulga as vagas existentes no sistema SEST, ao contrário das demais prefeituras conveniadas – o secretário de Emprego e Desenvolvimento Sustentável em Cubatão, Benaldo Melo (que também acumula a Secretaria de Obras), deu a entender ontem que o procedimento não é irregular.

Mas ele garante que o PAT “não tem nenhuma influência ou responsabilidade a respeito dos critérios utilizados pelas empresas para fazer as contratações, sendo de sua responsabilidade apenas a centralização e oferta das vagas à população”.

Como funciona

Desde 2016, a Prefeitura aceita os currículos levados pelos desempregados ao PAT e os repassa às empreiteiras que oferecem os empregos. Essas vagas são avaliadas pela Comissão de Desempregados, que encaminha os currículos considerados em condições de atender às necessidades das empresas. 

A comissão defende que as vagas sejam dadas prioritariamente a moradores de Cubatão ou da região. E só aceita candidatos trazidos de fora pelas prestadoras de serviço se ficar provado que não há trabalhadores qualificados para ocupar essas vagas por aqui. 

De acordo com nota da Secretaria de Comunicação Social da Prefeitura de Cubatão, “todos os currículos considerados inaptos (que não se enquadram no perfil pedido pela empresa contratante) e aqueles pertencentes às pessoas que não foram contratadas são devolvidos ao PAT pelas empresas contratantes ao final do processo seletivo. Esses currículos ficam à disposição dos candidatos para devolução, porém, raramente as pessoas voltam para buscá-los”.

Em dezembro, segundo a secretaria municipal de Emprego e Desenvolvimento Sustentável, o PAT tinha acumulado cerca de 20 mil currículos que não foram recuperados pelos candidatos. “Em casos assim, a opção, então, é fazer a destruição dos documentos para preservar o sigilo das informações”, assinala a secretaria.

Informatizar

A Secretaria Municipal de Emprego e Desenvolvimento Sustentável disse que já iniciou estudos para investir na informatização do cadastramento. O objetivo é tornar desnecessária a entrega de currículos em papel, ou mesmo o deslocamento dos interessados até o Centro. A ideia é que os trabalhadores tenham acesso às vagas e ao cadastramento pela internet.

Em 2017, foram disponibilizadas 2.860 vagas pelo PAT de Cubatão, que resultaram em contratações. E, neste início de 2018 já foram oferecidas 350 vagas aos trabalhadores.

Veja Mais