Uma paradinha pode salvar uma vida

Projeto Paradinha da Saúde leva ações de prevenção e atendimento à saúde em Cubatão

11/10/2018 - 19:08 - Atualizado em 11/10/2018 - 19:28

Oobjetivo da ação é oferecer serviços gratuitos, como controle de glicemia (Foto: Divulgação)

Carlos Alberto Barbosa, de 58 anos, gravou um vídeo no qual, sereno, relata um susto pelo qual passou. Durante um teste de glicemia, viu o resultado atingir espantosos 500 mg/dl, quando o esperado seria não ultrapassar os 99 mg/dl. Esse exame é a principal forma de detectar diabetes, doença que ele nem imaginava ter desenvolvido, mas agora está controlada.

O vídeo com o agradecimento de Carlos Alberto foi enviado a um grupo específico e provoca aplausos entre integrantes cada vez que é reproduzido. Em alguns, até lágrimas. Eles fazem parte do projeto Paradinha da Saúde, que reúne, de forma voluntária, trabalhadores de diversas áreas para mutirões em bairros de Cubatão. E foi em uma dessas paradinhas que Carlos Alberto descobriu a diabetes e pôde dar início ao tratamento.

O objetivo da ação é oferecer serviços gratuitos, como controle não só da glicemia, mas também da pressão arterial, orientação nutricional, sobre dependência química e testes rápidos de hepatite, sífilis e HIV, encaminhando para os hospitais os casos que necessitam de tratamento específico. Na prática, é um grupo que leva para os bairros ferramentas que podem salvar vidas.

Funcionando há cercade um ano, o projeto surgiu com amigos que entenderam que era o momento de agir fora dos muros das unidades de saúde.“Eu trabalho há 25 anos como enfermeira e a gente sente muito quando chegam ao hospital casos avançados, que poderiam ter um tratamento mais efetivo se tivessem chegado antes”, conta a enfermeira Sira da Silva,idealizadora doprojeto.

Dificuldades e orientação

 Segundo Sira , levar pessoas até um centro para um teste de HIV,por exemplo, é difícil.Por isso, a importância de fazer com que os serviços cheguem até elas.

“E ainda tem uma outra questão: há famílias que têm dificuldades financeiras que atrapalham a procura por prevenção”, relataa também enfermeira, Marinei Moraes da Silva. O trabalho conta também com a atuação de técnicas de enfermagem, nutricionistas, psicólogo, consultoria de médicos e voluntários de outras áreas. Além dos serviços de saúde, para cada evento, o grupo precisa buscar patrocínio que garanta o custeio dos kits para testagem, cadeiras e, até, pastas com os resultados entregues à população.

“Nós ainda temos em cada evento a participação das universidades e das escolas de Enfermagem que inscrevem estudantes. No fim, eles ganham certificados de participação", detalha Sira. PELOSEXO Uma das principais preocupações dos voluntários da Paradinha da Saúde é em relação ao crescimento de casos de infecções sexualmente transmissíveis. Exatamente por isso, eles buscam levar cada vez mais kits de testagem às ações.

Mais do que isso, o objetivo é manter a equipe treinada para os casos positivos. Assim, há um cuidado específico com a questão do sigilo e da abordagem, explica Sira. “São essas pessoas o grande motivo do nosso trabalho. É claro que ficamos felizes quando os resultados são negativos, mas termos um resultado positivo e encaminhar esse paciente, da forma correta, para o tratamento adequado é extremamente importante e fundamental para a cura ou para o controle da doença. É um paciente, provavelmente, que ainda não tem complicação e conseguirá uma qualidade de vida grande”, conta Marinei, ao declarar que isso faz valer a pena enfrentar plantões de 24 horas e, mesmo assim, se empolgar para participar do trabalho voluntário.

 Álcool e drogas

Apesar dos educadores físicos, de orientação nutricional e testes, o contato com a população também mostrou a necessidade de atendimentos voltados à drogadição. “Nós percebemos que muitas famílias têm problemas relacionados a álcool e drogas. Por isso, a necessidade de uma orientação sobre os serviços disponíveis. Muitos não sabem que existem e quais são”, afirma a psicóloga Maria Antonia da Silva, uma das voluntárias do projeto.

A importância não se restringe a esse tipo de orientação. Segundo Maria, o projeto leva atenção, e a população se sente acolhida. Agora, esse tipo de atendimento já foi incorporado às atividades.

Quemé? Paradinha da Saúde

Oque é? Um projeto que tem como objetivo oferecer serviços de saúde gratuitos, como controle de glicemia, pressão arterial, orientação nutricional, sobre dependência química e testes rápidos de hepatite, sífilis e HIV, encaminhando para os hospitais os casos que necessitam de tratamento específico.

Onde? Cubatão.

Contato: Simples, teste de glicemia pode significar a salvação de uma vida: trata-se da principal forma de detectar diabetes e, assim, buscar tratamento sirasaude@gmail.com

Veja Mais