Vida dos moradores de rua é tema de audiência em São Vicente

Grande dificuldade é convencer pessoas nessa situação a frequentar locais como os abrigos

20/08/2018 - 09:49 - Atualizado em 20/08/2018 - 12:21

Por lei, não se pode exigir de moradores de rua
sua ida a abrigos (Foto: Alexsander Ferraz/AT)

São Vicente atualmente tem cadastradas entre 150 a 170 pessoas que vivem nas ruas da Cidade, em condição de abandono social voluntário. A Prefeitura afirma enfrentar a resistência da maioria delas em se abrigar em locais que, além de oferecer banho, alimentação e cama em quatro abrigos, têm programas de ressocialização.

"A grande dificuldade é convencer esses moradores a saírem das ruas ou a voltarem para os municípios de onde procedem”, assinala a secretária municipal de Assistência Social (Seas), Maria de Lourdes dos Santos Oliveira.

Audiência Pública

Ela conduz nesta segunda-feira (20), às 16 horas, no plenarinho da Câmara Municipal de São Vicente (Rua Jacob Emmerich, 1195, Centro), uma audiência pública em conjunto com vereadores para debater esse e outros pontos da melhor forma de atendimento à população em situação de rua.

Morar na rua é uma opção voluntária ou, como assinala ela, o resultado das dificuldades sociais criadas pela crise econômica brasileira que leva à vulnerabilidade social. “O certo é que, por imposição legal, não se pode exigir que esses moradores sejam recolhidos a abrigos”, diz a secretária de Assistência.

“A nossa ideia é dialogar com a sociedade em busca de estratégias e parcerias que possam auxiliar no desenvolvimento de políticas públicas voltadas a esse público no Município. A proposta da audiência é ouvir a população para, depois, formatar propostas para serem implantadas em 2019", explica.

Novidades

A professora Lourdinha, como é mais conhecida, vem promovendo mudanças na política de atendimento às pessoas em situação de rua, dentre elas a ampliação do horário de atendimento do Centro Pop. E implantou a administração direta do serviço de abordagem a quem optou por morar nas vias públicas.

"Nossa abordagem tem apontado que 60% dessa população vem de outros municípios, a maioria da região do ABC paulista e da capital. Em contato com secretários dessa área nos municípios da Baixada Santista percebemos que vivem quadro semelhante. Por isso, é uma situação que deve ser debatida regionalmente", conclui a secretária de Assistência.

A Região em Pauta

A população em situação de rua e o apoio ao terceiro setor estão entre duas das principais questões de assistência social a serem debatidas dia 27 de agosto no fórum A Região em Pauta, uma iniciativa de A Tribuna com o objetivo discutir temas que estejam relacionados à Baixada Santista.

O encontro acontece a partir das 14 horas, no auditório do Grupo Tribuna (Rua João Pessoa, 350, Paquetá). As inscrições são gratuitas. mas limitadas, e podem ser feitas por meio do endereço www.atribuna.com.br/aregiãoempauta.

LEIA MAIS

<