Veja as melhores cidades para fazer intercâmbio na Austrália

Diferente do que se pensa, é possível participar desses programas em qualquer faixa etária

14/11/2017 - 10:20 - Atualizado em 17/11/2017 - 11:31

A cidade de Melbourne é uma das opções de intercâmbio (Foto: Divulgação)

Diante da crise econômica e do aumento da violência no país, alguns brasileiros têm buscado opções alternativas para passar algum tempo no exterior.  

Nesse sentido, os programas de intercâmbio podem ser uma excelente oportunidade! Diferentemente do que se costuma pensar, os intercâmbios não se restringem ao público mais jovem ou em idade escolar. É possível participar desses programas em qualquer faixa etária.  

E a gama de conhecimentos que pode ser adquirida varia desde os cursos básicos de idiomas, passando por especializações técnicas e profissionais, chegando até os cursos de mestrado e doutorado acadêmicos.

Em alguns casos, inclusive, é possível obter vistos de trabalho temporários para a prática profissional das atividades referentes ao programa de intercâmbio escolhido.   

Paralelamente a todos os ganhos objetivos que esses programas podem proporcionar – tais como conhecimento, qualificação e experiência profissional –, a realização de um intercâmbio envolve uma dimensão subjetiva que é incomensurável. A experiência de conhecer, a fundo, outra cultura e outra língua amplia nossa gama de repertórios pessoais e emocionais. 

E, na prática, nos possibilita encontrar soluções mais criativas em nossas vidas cotidianas, nos deixando mais flexíveis e abertos às diferenças - habilidades consideradas centrais para as mais diversas atividades profissionais. Não à toa, fazer intercâmbio é uma experiência extremamente valorizada no mercado de trabalho brasileiro. 

Entre as inúmeras opções, fazer intercâmbio na Austrália tem se mostrado uma alternativa cada vez mais atrativa para os que buscam países de língua inglesa. Trata-se do terceiro destino mais preferido por estudantes internacionais, perdendo apenas para os Estados Unidos e o Reino Unido.

Localizada na Oceania, em meio às mais de 10 mil ilhas que compõem a Melanésia, a Micronésia e a Polinésia, a Austrália apresenta uma ampla diversidade ambiental – com um total de 17 patrimônios da humanidade classificados pela Unesco. Essa diversidade ambiental combina-se com a sua diversidade cultural. 

Quase metade de sua população (47%), de cerca de 23 milhões de habitantes, é formada por estrangeiros ou por pessoas que têm pai ou mãe nascidos no exterior. E como se localiza no Hemisfério Sul, possui clima quente e temperado, e uma organização das atividades escolares semelhante à do Brasil: com dois semestres, que iniciam em fevereiro e final de julho, respectivamente. Circunstâncias que auxiliam bastante na integração inicial dos recém-chegados.

Adicionalmente, a Austrália tem sido recorrentemente considerada um dos países com melhores condições de vida para seus habitantes, de acordo com o ranking de desenvolvimento humano da Organização das Nações Unidas (ONU), ocupando, ao longo dos últimos anos, um dos três primeiros lugares. Essas excelentes condições de vida no país refletem, de fato, um intenso crescimento econômico. 

E, para os que vão fazer intercâmbio nesse país, também é possível experimentar o seu mercado de trabalho, com vistos que podem se estender por até dois anos após o final das atividades educacionais. Os principais destinos indicados para aqueles que querem fazer intercâmbio na Austrália são as cidades de Sydney, Perth e Melbourne.

Localizada no sudeste da costa australiana, Sydney, a cidade favorita dos que buscam intercâmbio, é conhecida por suas temperaturas amenas e seus dias ensolarados durante praticamente todo o ano. Trata-se da maior, mais antiga e mais cosmopolita cidade do país - características que convivem com uma infinidade de parques espalhados pela cidade e belíssimas praias. Opção ideal para os que querem aliar uma rotina urbana e vibrante ao aprendizado profissional.   

Mais ao sul da costa, no pequeno estado de Victoria, Melbourne é a segunda metrópole do país. Eleita em 2017, pela sétima vez, pela revista The Economist, como a melhor cidade do mundo para morar – ao lado de Viena, na Áustria, e Vancouver, no Canadá –, Melbourne caracteriza-se por sua arquitetura vitoriana, que confere um ar europeu a essa cidade da Oceania. 

A eleição da Economist se deve a fatores como segurança, saúde, sustentabilidade e educação. E, sem dúvida, à sua importante cena artística e cultural, abrigando uma multiplicidade de teatros, galerias e museus. O destino ideal, portanto, para os amantes de história e arquitetura.

Do outro lado do país, na costa oeste australiana, com um custo de vida mais barato, Perth é a capital do maior estado da Austrália. Embora seja a capital de um grande estado, reconhecidamente cosmopolita e vibrante, Perth é uma cidade relativamente pequena e sossegada.

Ali é possível realizar boa parte dos percursos cotidianos a pé, além de praticar de uma gama variada de esportes ao ar livre. Outro atrativo para os que querem mergulhar no inglês é o fato de haver, ainda, poucos brasileiros que escolhem esse destino.

Dessa forma, como foi possível perceber a partir desse pequeno apanhado, a Austrália é um país com opções para os mais diversos perfis e objetivos. Um destino, sem dúvida, bastante atraente para aqueles que querem fugir da crise e da violência nas quais se encontra mergulhada a sociedade brasileira.   

Veja Mais