Sindicato dos caminhoneiros descarta paralisação esta semana na região

Entidade sindical afirma que não há manifestação prevista para antes do encontro com a ANTT, dia 12

03/09/2018 - 07:30 - Atualizado em 03/09/2018 - 07:30

Comunicado da UDC diz que movimento
começa em 10 dias (Foto: Vanessa Rodrigues/AT)

A greve de dos caminhoneiros, anunciada pela União dos Caminhoneiros do Brasil (UDC-Brasil) para depois do feriado da Independência, não deve afetar a região por enquanto. 

O Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens da Baixada Santista e Vale do Ribeira (Sindicam) afirma que nenhuma manifestação está prevista para ocorrer antes do encontro da categoria com a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), no próximo dia 12, em Brasília.

Na reunião, o assunto principal a ser discutido será sobre os valores de tabela do frete rodoviário. Na última semana, um reajuste do diesel em 13% desagradou o setor. “O acordado era que se aumentasse o preço do diesel, seria obrigado a aumentar o valor para a tabela. Se isso for repassado para o frete mínimo, não teremos paralisação, mas vai depender do que acontecer em Brasília”, afirma o diretor do Sindicam, José Cícero Rodrigues Agra.

Sem confirmação

Informações de greve e até um comunicado da União dos Caminhoneiros do Brasil (UDC-Brasil) circularam no sábado por aplicativos de mensagens e redes sociais aventando a possibilidade de uma paralisação dos motoristas de caminhão por tempo indeterminado. O comunicado, com data de 30 de agosto, afirma que a greve deve começar em 10 dias.

Um informe de inteligência interno da Polícia Rodoviária Federal (PRF) considera que, apesar de não se poder descartar uma nova paralisação da categoria, a possibilidade de que ela ocorra é “bastante pequena”. O órgão afirma que esse não é um posicionamento oficial da PRF e que faz parte de uma apuração preliminar sobre a suposta greve.

A Associação Brasileira de Caminhoneiros (ABCam) que esteve à frente da paralisação de maio, que durou 11 dias e causou desabastecimento no País, informa por meio de nota que já solicitou à Casa Civil uma audiência para tratar do aumento e afirma ainda que “fará o possível para evitar uma nova paralisação”.

Em nota divulgada na noite de sábado (1), a ANTT informou que, devido à variação do preço do óleo diesel, promoverá os ajustes necessários na Resolução n° 5820/2018, que regulamenta a tabela de fretes.

Veja Mais