Servidores de Santos ligados ao Sindest recusam proposta da Prefeitura

Categoria reivindica 3% agora mais 2% em julho; enquanto o executivo oferece 2% e 1% em agosto

13/03/2018 - 21:38 - Atualizado em 13/03/2018 - 21:39

Sindest programa um protesto em frente a Prefeitura
na segunda, caso não seja apresentada nova oferta

Os funcionários públicos de Santos ligados ao Sindicato dos Servidores Estatutários Municipais de Santos (Sindest) recusaram nesta terça-feira (13), em assembleia, a proposta de reajuste da Prefeitura, que prevê 2% de aumento retroativo a fevereiro mais 1% em agosto. 

O Sindest reivindica uma correção de 3% retroativa a fevereiro mais 2% a partir de julho. A inflação acumulada nos últimos 12 meses, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Amplo (IPCA) ficou em 2,8%. 

Segundo o presidente do Sindest, Fábio Pimentel, a recusa da proposta será protocolada, nesta quarta-feira (14), no Paço Municipal. O sindicalista espera abrir nova negociação e garantir uma nova oferta até sexta-feira (16). 

Caso a expectativa não se concretize, um protesto está previsto para acontecer na segunda-feira (19), na Praça Mauá, a partir das 14 horas. “A oferta ainda está aquém do que acreditamos positiva. Fracionar o aumento (reajustar parte em fevereiro e outra em agosto) é algo que não concordamos”.

Para Pimentel, um acordo está muito próximo de acontecer. Ele não descarta a categoria aceitar 3% de reajuste de imediato. “Acredito que sim. É possível”.  

Avanço

Apesar da campanha salarial não ter chegado ao fim, devido a negativa da categoria aos índices apresentados pela Prefeitura, o sindicalista destaca que a Administração Municipal avançou em alguns temas da pauta. 

“Ampliou o valor da cesta-básica para R$ 280 (ante os R$ 263 da primeira proposta) e aumentou o limite do mesmo benefício aos aposentados, que passa a ser de quatro salários mínimos (R$ 3.816)”.

Veja Mais