Menino com leucemia precisa tomar remédio de R$ 325 mil e família inicia campanha

Bernardo, de 3 anos, depende da medicação, que é importada, para ser submetido a um novo transplante

20/09/2018 - 15:35 - Atualizado em 20/09/2018 - 15:51

Bernardo tem apenas 3 anos e já foi submetido a um 
transplante em janeiro (Foto: Arquivo Pessoal)

Um simples ato de solidariedade poderá garantir um destino diferente ao pequeno Bernardo Biangaman Gonçalves de Oliveira, de apenas 3 anos. Diagnosticado com Leucemia Linfóide Aguda (LLA), o menino, morador de Santos, já foi submetido a um transplante de medula no início do ano. Mas a doença voltou a se manifestar e, para que o segundo procedimento possa ser realizado com segurança, a família precisa de uma medicação cujo valor ultrapassa R$ 300 mil. 

Tia do garoto, a analista de sistemas Bruna Biangaman Gonçalves, de 28 anos, conta que, mesmo diante de tantas adversidades, Bernardo é um vitorioso. Afinal, em duas ocasiões, o garoto encontrou doadores compatíveis.  

Entre a manifestação dos sintomas do câncer e a realização do primeiro procedimento, Bruna conta que se passaram cerca de sete meses. A doença, segundo ela, foi descoberta pela família ainda no ano passado, quando Bernardo apresentou febre alta seguida de manchas roxas e avermelhadas por todo o corpo. 

Naquela ocasião, a família procurou atendimento em um hospital de Santos e, após exames, foi confirmado o diagnóstico e encaminhado ao GRAACC (Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer) em São Paulo. A única forma de salvar o garoto seria por meio de um transplante. 

Receita indica medicação que
custa R$ 325 mil (Foto: Reprodução)

“Dois meses depois, por sorte, encontramos um doador compatível com o Bernardo. Era uma pessoa que estava no banco de doadores e morava na Polônia. Ele foi muito abençoado nesse sentido”, conta a tia do garoto. 

O transplante aconteceu em janeiro deste ano. Porém, em maio, após novos exames, constatou-se que o câncer havia voltado e um novo procedimento foi sugerido pelos especialistas que acompanham o garoto. 

“Novamente encontramos um doador. Só que, agora, o transplante, que é considerado de risco em razão do curto espaço de tempo do último, será feito por meio das células-tronco de um cordão umbilical”.  

Ao todo, menino precisará tomar 42 doses da medicação
importada, antes da cirurgia (Foto: Arquivo Pessoal)

Segunda etapa 

O procedimento, no entanto, só poderá ser feito com segurança mediante a administração de uma medicação específica, fabricada nos Estados Unidos, e que protegerá o fígado do menino antes da intervenção. Ao todo, serão necessárias 42 doses do medicamento.  

“Em outubro ele será internado e precisamos iniciar a medicação 21 dias antes. O custo é de R$ 325 mil e nossa família não consegue arcar com essa despesa. Por isso, criamos uma vaquinha na internet”.

A Reportagem procurou a Secretaria de Estado da Saúde e o Ministério da Saúde, que confirmaram que a medicação prescrita à família do garoto não está contemplada na relação de remédios oferecidos pela rede pública. 

Até o momento, segundo Bruna, já foram arrecadados pouco mais de R$ 39 mil. O transplante ainda não tem data para ocorrer. Porém, no próximo dia 15 de outubro, o menino volta a ser internado, na Capital, onde deverá realizar o segundo procedimento. 

Além da campanha na internet, uma conta poupança também foi aberta no nome da mãe do garoto, com a finalidade de arrecadar fundos para o tratamento. 

Banco: Caixa Econômica Federal
Agência: 2963
Conta Poupança: 7724-4
CPF: 273.201.828-74
Fabiana Biangaman Gonçalves

Veja Mais