Incêndio atinge distribuidora de embalagens na Ponta da Praia, em Santos

Morador de 37 anos sofreu queimaduras de segundo grau nos membros superiores

25/06/2018 - 11:15 - Atualizado em 25/06/2018 - 16:26

Depósito que pegou fogo fica na Rua Alfaia Rodrigues, na Ponta da Praia (Foto: Rogério Soares/AT)

Um incêndio de grandes proporções atingiu a sede da empresa Metraton Recicláveis, na manhã desta segunda-feira (25), na Rua Comendador Alfaia Rodrigues, próximo à Rua Moema, na Ponta da Praia, em Santos. Segundo a Prefeitura, um rapaz de 37 anos sofreu queimaduras de 2º grau nos membros superiores e foi encaminhado à Casa de Saúde da Cidade. Ele foi medicado e já liberado. 

Bombeiros, Guarda Portuária e Defesa Civil
atendem à ocorrência (Foto: Corpo de Bombeiros/SP)

Equipes da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e da Guarda Portuária estão no local, que funciona como uma distribuidora de embalagens plásticas e de papel. As chamas foram extintas e agora é feito o rescaldo. 

De acordo com o assistente técnico da Defesa Civil de Santos, José Carlos, todo material do galpão foi perdido e a estrutura ficou bastante danificada. O teto caiu e as paredes estão cheias de fissuras.

Apesar da situação, os imóveis ao lado do foco do incêndio não foram atingidos. Os moradores tiveram que deixar suas casas por segurança e, no final do dia, uma nova avaliação sobre os possíveis impactos das chamas nas residências será realizada.

"Ainda estão fazendo o rescaldo. O serviço é realizado com a ajuda de uma retroescavadeira, que move o material enquanto os bombeiros jogam água".

Começo do incêndio

Segundo o major Maurício Biloti, do Corpo de Bombeiros, ainda não se sabe como o fogo começou. Ao todo, 35 bombeiros, divididos em oito equipes, atuam na operação.

''A maior dificuldade foi o material combustível, que é plástico e de difícil resfriamento. Levaremos um tempo para o rescaldo, mas superamos o maior risco, que era o do fogo se alastrar para residências vizinhas''.

Combate

Duas frentes de trabalho foram providenciadas para o combate às chamas: uma na Avenida Pedro Lessa e outra na Rua Alfaia Rodrigues. 


Trânsito

Em função do incêndio, bloqueios nas vias foram feitos pelos bombeiros e pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Os dois sentidos da Avenida Pedro Lessa estão bloqueados naquele trecho e os motoristas estão sendo desviados no sentido Rebouças, tendo ruas internas do bairro como alternativa. 

Equipes dos bombeiros trabalham no combate ao incêndio (Foto: Reprodução/Praia Grande Mil Grau)

Josefa de Jesus Santos, moradora da Rua Professor Carlos Escobar, que fica próxima ao local do incêndio, conta que estava dormindo quando o filho, que sentiu um forte cheiro de fumaça, a acordou. ''Levantei assustada'', contou. ''Nunca vi isso, mas acho que não aconteceu nada com ninguém''.

A dona de casa Josefa Maria Pereira do Nascimento mora na Avenida Pedro Lessa e disse que se assustou quando preparava o almoço. ''Meu marido ouviu um barulho e eu achei que era por causa do jogo. Quando saí, vi uma fumaça enorme e corri''.

''Estávamos terminando de atender uma cachorrinha e sentimos um forte cheiro de queimado. Vimos a fumaça alta já'', contou Meire Rose, a dona de um pet shop localizado atrás de uma clínica veterinária na Avenida Pedro Lessa. O estabelecimento precisou ser fechado.

A proprietária da empresa, distribuidora de descartáveis, conversou com a Reportagem e contou que estava no local havia 6 anos e que a empresa estava funcionando quando o fogo começou. ''As chamas começaram na parte da frente e rapidamente cresceram''. Ela afirmou que não tem conhecimento de vítimas e que ainda não calculou o prejuízo gerado pelo incêncio.

Veja Mais