Entulho é enterrado em terreno e multa é aplicada a proprietário

Espaço que deve virar um estacionamento fica na Avenida Ana Costa; medida causa danos ao meio ambiente, além de riscos a futuras construções

21/04/2017 - 08:36 - Atualizado em 21/04/2017 - 08:44

 

 

Vizinhos de prédios vizinhos alertaram a
Prefeitura sobre a situação (Irandy Ribas/AT)

Quando a pessoa tenta omitir algo importante, costuma-se dizer que ela ‘varreu a sujeira para debaixo do tapete’. O responsável por uma obra, em Santos, foi além. Em vez de contratar caçambas para retirar o entulho, ele enterrou o material. Isso aconteceu no Gonzaga e só veio à tona graças a uma denúncia.

O caso foi no terreno que fica no número 472 da Avenida Ana Costa. O responsável pela demolição do imóvel abriu uma vala de 100 metros quadrados, com dois metros de profundidade, para enterrar diversos tipos de materiais.

O vizinho de um dos prédios que ficam ao redor do terreno viu e avisou a Prefeitura. Com uma retroescavadeira, os fiscais da Secretaria do Meio Ambiente começaram a cavar e encontraram restos de construção, pneus e pedaços de ar-condicionado e de geladeira.

“Eu fiquei surpreso, não só pelo volume, como pelo lixo. E, também, pelo nível de descaso com o meio ambiente”, declarou Marcos Libório, secretário municipal de Meio Ambiente.

O que acontece

De acordo com a secretaria, o proprietário pagará uma multa de R$ 8,6 mil e será obrigado a apresentar um projeto de destinação dos resíduos. Depois disso, terá de recompor a área com terra.

A Tribuna apurou que, caso tivesse contratado uma empresa de caçamba para retirar o material, o proprietário teria gastado R$ 2.240 (valor referente a oito caçambas, quantidade necessária para o volume de material).

“Está saindo muito mais caro”, avalia Libório. Além disso, o secretário diz que a atitude colocou o terreno em risco. Segundo ele, a área seria destinada a estacionamento. “Poderia haver um afundamento. Aquele material não tem resistência mecânica para suportar muito peso”, completa.

O engenheiro Eduardo Lustosa, da Associação de Engenheiros e Arquitetos de Santos, diz, ainda, que atitudes como essa podem contaminar o lençol freático. Além disso, poderia comprometer futuras construções. “Como não é uma laje, o entulho vai sofrendo acomodação e pode ceder. Isso causaria trincas sérias na construção”, prevê.

Resposta

A Reportagem procurou o responsável pela área. Ele confirmou que alugou o terreno para transformá-lo em estacionamento. Antes, porém, fez obras de melhorias, como a construção de muros e a colocação de portões.

Ainda segundo o responsável, havia uma caixa d’água instalada no chão, nos fundos do terreno que, quando foi retirada, deixou um buraco no lugar. Ele aproveitou o entulho para aterrar o local.

Um funcionário, sem avisar, teria ainda colocado os pneus e restos de outros materiais. “Ele (funcionário) fez isso sem eu saber”, explicou.

A Prefeitura de Santos informa que descarte irregular de resíduos sólidos devem ser denunciados pelo telefone 3226- 8080 ou pelo e-mail semam@santos.sp.gov.br.

 

Veja Mais