Desperdício de alimentos pode ser minimizado com planejamento, afirma especialista

Na região, o programa Mesa Brasil evitou que mais de 300 toneladas de comida fossem descartadas no ano passado

14/06/2018 - 20:00 - Atualizado em 14/06/2018 - 20:00

Compra fracionada é uma das saídas para evitar o desperdício de alimentos (Foto: Shutterstock)

Você já se questionou sobre a quantidade de alimentos que desperdiça na sua dispensa e na geladeira, todos os dias? No País, a cada dez consumidores, seis assumiram descartar um ou dois itens em perfeito estado, semanalmente. E o grande vilão para o triste hábito, segundo especialistas, é um só: a falta de planejamento. 

“As pessoas, de uma maneira geral, não se organizam para as compras. É preciso verificar, sempre antes de sair de casa, os itens que constam na geladeira e os que não são perecíveis na dispensa, para se planejar a respeito do que será adquirido para semana. Por isso, as tradicionais listinhas são fundamentais”, comenta a nutricionista e coach de emagrecimento Angélica Croccia. 

Segundo ela, uma outra saída para evitar o desperdício e, principalmente, comprar mais do que o necessário, é optar por idas ao supermercado de maneira fracionada. 

“Verduras, legumes e frutas, por exemplo, devem ser adquiridos em pouca variedade, para serem consumidas em, no máximo, uma semana. Além de dimensionar o que será consumido, isso também possibilita a ingestão de diferentes nutrientes, com a rotatividade dos alimentos”, explica. 

Para quem tem dúvidas a respeito da quantidade de hortaliças que devem ser adquiridas ao longo de uma semana, Angélica dá uma dica: “Folhas finas, como a alface, por exemplo, têm uma duração menor. Por isso, o ideal é comprar sempre em menor quantidade, para serem consumidas em apenas três dias. Já as mais grossas, como o repolho, por exemplo, podem ser aproveitadas ao longo da semana”. 

O congelamento das hortaliças, para o uso em sopas e molhos, também é uma saída para evitar o descarte desnecessário. “Já com relação às frutas, quando passadas, podem ser aproveitadas em sucos, smoothies e sorvetes naturais”, recomenda. 

Conforme a nutricionista, em média, uma pessoa saudável ingere de três a quatro porções de frutas por dia. Com base nesse cálculo, é possível então adquirir apenas os itens necessários para uma semana. 

“Uma outra forma de evitar o desperdício é adquirindo alimentos que ainda não estão maduros. Isso dará mais tempo até que possam ser consumidos”.  

Na foto, Patricia e Angélica em uma oficina sobre
alimentação (Foto: Arquivo Pessoal)

Bom exemplo 

Na contramão da maioria dos brasileiros, a assistente administrativa Patricia Fernanda Nussi, 44 anos, tem feito a lição de casa. Muito além de evitar o desperdício de alimentos, ela conta que há quase dois anos tem procurado consumir hortaliças por inteiro, aproveitando em suas receitas cascas e também sementes. 

“Em casa sempre tive esse cuidado de não comprar mais do que precisava. Hoje, como faço dieta, sempre busco utilizar as folhas mais feias em sucos detox, por exemplo. E as frutas, em sucos e geleias”, conta. 

Temperos caseiros também ganharam uma nova forma de preparo. “Estou usando a cebola e o alho com cascas, tirando apenas a primeira casquinha da cebola e cortando apenas as pontinhas do alho. Assim também reduzo a quantidade de lixo gerado, já que quase tudo é aproveitado”. 

O congelamento de vegetais, por meio da técnica de branqueamento (processo no qual as verduras e legumes são fervidos rapidamente), também é uma prática adotada pela assistente administrativa. 

“Como trabalho fora e só chego em casa às 10 horas da noite, é uma maneira de me organizar e evitar o desperdício. Agora que está frio, também tenho abusado das folhas mais grossas, assim posso consumi-las refogadas”.  

Profissionais que integram o programa Mesa Brasil ficam encarregado da seleção de alimentos que serão reaproveitados
(Foto: Divulgação)

Projeto minimiza o desperdício 

Há 18 anos, o Sesc Santos integra o projeto Mesa Brasil, criado em São Paulo ainda na década de 90, com a finalidade de minimizar o desperdício de alimentos que iriam para o lixo em perfeitas condições de consumo.  

Diariamente, toneladas de alimentos são descartadas em todos os elos da cadeia alimentar. Pensando em como minimizar esse descarte, uma rede de empresas doadoras foi criada na região, beneficiando centenas de pessoas atendidas por entidades sociais. 

Na Baixada Santista, há hoje 60 empresas do ramo alimentício cadastradas, que atendem 60 instituições assistenciais nas cidades de Santos, São Vicente, Cubatão, Guarujá e Praia Grande. 

Somente no último ano, graças ao projeto, cerca de 310 toneladas de alimentos puderam ser reaproveitadas, conforme explica a nutricionista e coordenadora do programa na região, Fabiola Freire. 

“Mensalmente, o programa coleta entre 20 e 24 toneladas de alimentos que não têm mais valor comercial, ou seja, que muitas vezes estão na prateleira, mas não agradam mais aos clientes, porque estão muito maduros ou machucados, mas que podem ser consumidos”. 

Após a seleção dos itens, que acontece de segunda a sábado, os profissionais que integram o Mesa Brasil realizam a entrega da mercadoria em instituições sociais cadastradas. 

“Temos equipes treinadas em três veículos, para direcionar esses alimentos. E tão importante quanto a doação é o processo educativo do projeto. Não só distribuímos esses itens, como também oferecemos treinamentos relacionados à manipulação correta e o uso integral destes alimentos”. 

Estabelecimentos comerciais do ramo alimentício e instituições sociais interessadas em fazer parte do programa podem se cadastrar pelo telefone 0800-109-171 ou pelo e-mail mesa@santos.sescsp.org.br. 

O público em geral também pode acessar o site do programa, para mais informações sobre o aproveitamento integral de alimentos, além de participar das oficinas mensais realizadas na unidade de Santos. 

“Temos hoje um programa, o Comida de Verdade, que resgata a prática de fazer comida, de utilizar o alimento por inteiro, de prepará-lo em casa. Esse evento acontece todos os meses até novembro e é aberto ao público”. 

A programação pode ser encontrada no site www.sescsp.org.br. 

Veja Mais