Prefeitura inicia desobstrução de via no Morro São Bento

Mais de 40 toneladas de lama e vegetação que caíram de uma encosta foram retiradas

19/03/2017 - 15:33 - Atualizado em 19/03/2017 - 16:46
Mais de 20 profissionais da Prefeitura atuam na desobstrução de via no Morro São Bento
(Foto: Divulgação/Prefeitura de Santos)

Mais de 40 toneladas de lama e vegetação caíram da encosta do Morro São Bento, em Santos, neste domingo (19), depois do terceiro dia consecutivo de muita chuva na Baixada Santista. O material começou a ser retirado desde cedo, com o suporte de seis caminhões, duas retroescavadeiras e uma mini-carregadeira. Após a conclusão da limpeza, a pista deverá ser liberada para o tráfego de veículos. 

O deslizamento de terra ocorreu na avenida São Cristóvão, na altura do número 1.939. Neste domingo, os trabalhos de limpeza foram acompanhados de perto pelo prefeito de Santos, que visitou o local. “Os funcionários da Prefeitura, não só aqui como em toda a Cidade, estão trabalhando para recompor as condições de acesso à população em virtude das chuvas”, destacou. 

Desde a tarde de sexta-feira (17), a Defesa Civil de Santos registrou mais de 30 ocorrências de deslizamentos, quedas de árvores e outras em toda a Cidade, sendo que em torno de 20 delas ocorreram nos morros da Cidade. Neste domingo, vários bairros ainda mantinham pontos de alagamento.

Em razão da chuva, o asfalto cedeu na esquina da Avenida Bernardino de Campos (Canal 2) com a Rua Carlos Gomes, no Campo Grande, quando um ônibus de turismo passava pelo local, durante o início da manhã. 

A Avenida Nossa Senhora de Fátima ficou interditada nos dois sentidos com a chuva (Foto: Walter Mello)

Obras 

Após o temporal, a Prefeitura anunciou que pretende recomeçar em até seis meses a construção de estações elevatórias, comportas, galerias, canais e travessias para a água de chuva no Chico de Paula, no São Jorge e na Caneleira. 

A informação foi confirmada pelo secretário de Governo, Rogério Santos. A Prefeitura estuda retomar essas obras em setembro, após o lançamento de um novo processo de licitação. 

Em agosto do ano passado, o contrato com o consórcio Santos Novos Tempos para esses serviços acabou, após o Banco Mundial, principalmente financiador, reprovar o programa. 

O secretário prevê que entre as obras necessárias esteja a finalização da construção de uma galeria na divisa de Santos com São Vicente, entre os bairros Castelo e Guassu. Ela fica na Rua Haroldo de Camargo e compreende 630 metros para que a galeria possa sair no Rio dos Bugres, ultrapassando o Dique da Vila Gilda.

Outra necessidade, segundo o secretário, é completar a galeria da comporta C1, no Rádio Clube. O contrato extinto também previa as obras das galerias da Avenida Martins Fontes, na entrada da Cidade. Na sexta-feira, trabalhadores chegaram a gastar sete horas para vencer a água e o trânsito.

Este ponto deverá estar em um outro pacote de intervenções, que deverá ser licitado para as obras necessárias para a construção de uma ponte e de um viaduto no projeto da nova entrada da Cidade.

A previsão da Prefeitura é lançar este edital no mês que vem, com recursos do PAC Mobilidade. Segundo o secretário, os técnicos do Município ainda não decidiram se vai ser necessário fatiar as intervenções em várias licitações. “Por uma questão técnica, ainda não há uma decisão final. A gente está fazendo a revisão do projeto executivo”, diz Santos.

Veja Mais