Chuva coloca três municípios da região em estado de atenção

Na região, Bertioga foi a cidade que registrou maior volume de chuva nas últimas horas

08/03/2018 - 18:35 - Atualizado em 08/03/2018 - 18:35

Vias na entrada de Santos ficaram debaixo d'água com a forte chuva (Foto: Nirley Sena/AT)

Pelo menos três municípios da Baixada Santista já decretaram estado de atenção, em razão do volume de chuva registrado nas últimas 24 horas. Entre as cidades da região, Bertioga foi o município que contabilizou maior índice pluviométrico nas últimas horas. Em apenas 24 horas foram 158 milímetros. Já nas últimas 72 horas, esse índice sobe para 198mm. 

Na Cidade, conforme informações da Defesa Civil, foram registrados seis pontos de alagamento. Por causa da chuva, uma família moradora do bairro Caiubura, que estava ilhada no meio da rua, precisou ser socorrida.  

Houve também um chamado no bairro São Lourenço para retirada de uma árvore que estava inclinada e preocupava os moradores. A árvore foi retirada pela Elektro na manhã desta quinta-feira (8) porque apresentava risco de queda.

Ainda na Cidade, a Rua Estevam da Costa com a Oscar Magrini, no Centro, precisou ser interditada, por conta de um buraco que foi aberto na via. No local houve o rompimento no cano da tubulação de drenagem.  

Índice pluviométrico de Santos em 72 horas já era metade do esperado para o mês (Foto: Nirley Sena/AT)

Santos, que também está em estado de atenção, já registra metade da chuva esperada para março. Nas últimas 72 horas, conforme informações da Defesa Civil, foram registrados 148,2 milímetros. A média esperada para o mês é de 299,89mm. 

Na Cidade, foram registradas duas ocorrências na última quarta-feira, por causa das fortes chuvas. Houve uma queda de árvore na Avenida Torquato Dias, no Morro da Nova Cintra, além de um escorregamento no Morro Santa Maria, que não deixou vítimas. Nesta quinta-feira, apesar da redução da chuva, diversos pontos, principalmente na entrada do Município, permaneciam debaixo d’água. 

No Canal 3, por causa da chuva, dezenas de veículos que estavam estacionados na garagem do edifício Sabará, localizado na Avenida Washington Luís, próximo à Rua Azevedo Sodré, no Boqueirão, em Santos, ficaram submersos. Funcionários de uma escola municipal, no bairro Chico de Paula, também ficaram ilhadas. 

Já em Guarujá, nas últimas 72 horas, o acumulado de chuva chega a 122 milímetros. Em razão do índice pluviométrico registrado nos últimos dias, com algumas regiões sendo mais atingidas, como Vicente de Carvalho e o chamado Rabo do Dragão, a Cidade também entrou em estado de atenção.   

Em algumas regiões do Município, como a que compreende os bairros mais ao lado norte da Ilha, as chuvas ultrapassaram os 100mm. Um deslizamento de terra também foi no Sítio São Pedro.  Somente ontem, o índice pluviométrico na Cidade alcançou 66 milímetros.  

Estado de observação  

Apesar dos transtornos causados pelas chuva em alguns municípios da região, em Cubatão, o índice pluviométrico das últimas 24 horas, conforme dados da Defesa Civil, chegou a 75,6 milímetros. Por isso, a Cidade permanecia em estado de observação até a tarde desta quinta-feira. No Município, ainda conforme apurado pela Reportagem, nenhuma ocorrência havia sido registrada em decorrência da chuva. 

Já em Peruíbe, nas últimas 24 horas, o acumulado de chuvas chegou a 125 milímetros. Na Cidade, apesar do volume, nenhuma ocorrência foi registrada pela Defesa Civil, que continua monitorando áreas sujeitas às cheias em dias de fortes chuvas. 

Em Itanhaém, conforme apurado pela Reportagem, nenhuma ocorrência em decorrência da chuva havia sido registrada até a tarde desta quinta. A Cidade não divulgou o índice pluviométrico das últimas 24 horas.  

Sem problemas

São Vicente informa que não registrou ocorrência e, no momento, somente alagamentos em pontos isolados, causados pela soma do acúmulo de chuva e alta da maré. Das 17 horas de quarta até o mesmo período desta quinta, o índice pluviométrico foi de 122,2 milímetros. 

A Defesa Civil de ressalta que está fazendo vistorias nas áreas de risco já previamente mapeadas, bem como em áreas de alagamentos, locais próximos aos canais, comportas e áreas de risco como os morros.

Ao contrário do caos que a chuva causou na maioria das cidades da Baixada Santista, em Praia Grande, o volume de chuvas nas últimas 72 horas foi de 30,5 milímetros, o que não interferiu na vida dos moradores. Portanto, o município não entrou em estado de alerta, nem de atenção. 

Veja Mais