Campanha de vacinação contra febre amarela pode ser antecipada

Das cidades da região, Santos e Mongaguá afirmaram estar prontas para aplicar as doses

15/01/2018 - 20:25 - Atualizado em 15/01/2018 - 21:43

A campanha de vacinação pode começar mais cedo. Estado de São Paulo e Ministério da Saúde discutem a possibilidade de liberar a vacinação antes do prazo combinado, em fevereiro. Uma reunião entre as partes deve ocorrer nos próximos dias para bater o martelo.

Para o Ministério, se as cidades estiverem em condições de começar a medida, não haverá impedimento. Das cidades da região, Santos e Mongaguá afirmaram estar prontas. Praia Grande já começou a preparar os funcionários e Peruíbe começará em breve.

A necessidade de antecipação já havia sido alardeada por especialistas diante do avanço da doença. “Desde junho de 2016 já havia um alerta para a situação, que se agravou com o passar do tempo. O governo demorou para tomar uma providência”, diz o infectologista e presidente da Sociedade Brasileira de Dengue e Arboviroses, Artur Timerman.

A preocupação tomou conta das ruas da Baixada Santista e não é à toa. Nesta segunda-feira, foi confirmada mais uma morte por febre amarela. Um homem de 49 anos, que saiu de São Paulo e faleceu na Bahia. O caso deve elevar para 22 o número de óbitos no Estado. A Secretaria de Estado só divulgará novo balanço na sexta-feira (19). 

Secretária do Estado divulgará balanço de óbitos na sexta-feira (Foto: Carlos Nogueira/AT)

Postos de saúde

O reflexo disso bateu nos postos de saúde. Santos, por exemplo, vacinou, nas duas semanas de 2018, mais da metade da população que imunizou em todo o ano passado.

A corrida fez com que as cidades divulgassem alerta pedindo que as pessoas aguardem o início da campanha para tomar a dose, caso contrário pode faltar vacina nos postos públicos. 

Bertioga vacinou quase três vezes mais pessoas nos 15 primeiros dias de 2018 do que em dezembro do ano passado todo. Em São Vicente, 289 receberam o medicamento mês passado. Mas, nessas duas semanas de janeiro, foram 1.015. 

Santos começou o ano com estoque de 5 mil doses. Mas já aplicou mais de 3.600 até agora. A Cidade acabou nesta segunda com os estoques quase zerados e novo reforço só chegará na terça-feira (16) . 

“As pessoas precisam ter a devida consciência de ir em busca da vacina durante a campanha de vacinação, para que haja medicamento a quem precisa viajar, inclusive para o exterior, e vão precisar de um certificado para isso”, informa o secretário de Saúde de Santos, Fábio Ferraz. “Caso a gente tenha uma grande procura antes do início da campanha, não está descartada a possibilidade de haver falta de vacina”.

Veja Mais